Dupla é presa suspeita de matar homem durante briga por causa de isqueiro em Bonfinópolis

Polícia apreende pedaços de concreto utilizados para matar Eduardo Soares da Silva em Bonfinópolis, Goiás (Foto: PM/ Divulgação)

Eduardo da Silva acusou suspeitos de terem pego o objeto dele e foi morto com golpes de blocos de concreto. Segundo a Polícia Civil, um dos autores ainda bebeu o sangue da vítima.

Rodrigo Martins Rodrigues e Fábio Júnior Lima Campos são presos suspeitos de matar Eduardo Silva em Bonfinópolis, Goiás (Foto: PM/ Divulgação)

Rodrigo Martins Rodrigues e Fábio Júnior Lima Campos são presos suspeitos de matar Eduardo Silva em Bonfinópolis, Goiás (Foto: PM/ Divulgação)                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     Dois homens foram presos na quinta-feira (12) suspeitos de matar, com golpes pedaços de concreto, Eduardo Soares da Silva, de 32 anos, em frente a uma distribuidora de bebidas em Bonfinópolis, na Região Metropolitana de Goiânia. Segundo a Polícia Civil, um deles ainda tomou o sangue da vítima. O crime aconteceu durante uma discussão por causa de um isqueiro.

“A vítima começou a falar para um dos autores que ele tinha furtado o isqueiro dele, aí começaram a discutir. A vítima falou: ‘Olha, não briga com velho de cadeia’. Disse que tomassem cuidado. Nisso, um dos autores empurrou a vítima e, quando caiu no chão, os dois começaram a dar pedradas na cabeça e pontapés”, contou a delegada responsável pelo caso, Cybelle Tristão.

O pintor Rodrigo Martins Rodrigues confessou à polícia ter matado a vítima. Já Fábio Júnior Lima Campos, que trabalha em uma empresa de plantio de eucaliptos, alegou em depoimento que estava no local, mas não cometeu o crime.

Crime

O crime aconteceu por volta das 15h de quinta-feira, na Rua 105, Jardim Ana Amélia. A vítima e os suspeitos estavam bebendo em frente à distribuidora, quando começaram a discutir.

De acordo com a polícia, após achar que Eduardo estava morto, Rodrigo ainda sentou sobre a vítima e bebeu o sangue dela.

“Rodrigo disse que lambeu o sangue do pescoço da vítima e ainda falou que estava muito ruim. Em seguida, saiu andando normalmente. Um crime bem macabro”, disse a delegada.

Eduardo foi socorrido e levado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Municipal de Bonfinópolis. Ele morreu na unidade de saúde.

Prisões

De acordo com a delegada, pessoas que estavam no local informaram à Polícia Militar que viram Rodrigo no local. Os policiais localizaram o pintor caminhando em uma rua da cidade. Logo depois, prenderam Fábio.

“Quando efetuaram a prisão do Rodrigo, a Polícia Militar recebeu uma ligação de um número confidencial e, essa possível testemunha, falou: ‘Vocês prenderam só um, dois que mataram a vítima’. O Rodrigo informou a participação do Fábio”, explicou Cybelle.

Os policiais prenderam Fábio na casa de uma tia, que fica nas proximidades da distribuidora de bebidas. “Ele diz que estava no local e, quando percebeu que os ânimos se exaltaram, ele saiu do local e foi para a casa da tia. Ele falou que não viu o Rodrigo apedrejando a vítima, mas que quando saiu na porta viu o Rodrigo sentado em cima da vítima, lambendo o sangue d a vítima”, detalhou.

Já Rodrigo admite a autoria. “Ele disse que não se arrepende de forma alguma porque a vítima estava errada, que ele não pegou o isqueiro, que ele falou para parar de ameaçar”, detalha.

Investigação

Apesar da alegação de Fábio, Cybelle acredita que ambos participaram do crime. “Os indícios culminam que os dois participaram. Realmente, o Rodrigo é franzino, como conseguir matar a pedradas, sozinho e de maneira muito rápida? O Rodrigo disse que o Fábio participou e as informações da PM é de que tinham dois no local”, afirma.

A delegada continua com a investigação em busca de esclarecer a participação de cada um no crime. “Vamos ver se tem imagens de câmeras de segurança, ouvir a mãe e a tia do Fábio, que podem ter visto o crime, e tentar identificar testemunhas”, explicou Cybelle.

Os policiais não encontraram o isqueiro que teria causado a briga. A equipe apreendeu os pedaços de concreto usados no crime e também roupas dos suspeitos para perícia, pois havia vestígios de sangue.

Imprimir

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*