Polícia prende dez suspeitos de guardar e compartilhar imagens de pedofilia, em Goiás

Foto: Polícia Civil/Divulgação

Polícia Civil vai periciar computadores, pendrives e celulares em operação contra pedofilia — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Polícia Civil vai periciar computadores, pendrives e celulares em operação contra pedofilia — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Dez homens, entre 25 e 55 anos, foram presos nessa quarta-feira (13) suspeitos de guardar e compartilhar materiais pornográficos envolvendo crianças e adolescentes, em Goiás. Celulares, computadores e pendrives foram apreendidos. Mensagens de um grupo em que um dos presos estava mostram algumas pessoas debochando de uma operação contra pedofilia.

Todos vão responder pelos crimes de posse e compartilhamento de material pornográfico infanto-juvenil. Entre os presos estão um professor de futebol e um pai, que e escondia o material pornográfico em um pendrive que ficava dentro do porta-luvas do carro.

Segundo a Polícia Civil, foram quatro meses de investigação e mais de 300 mil arquivos analisados. Nesta manhã, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em oito cidades.

Dos presos, cinco estavam em Goiânia e dois em Aparecida de Goiânia. Os outros flagrantes aconteceram nas cidades de Catalão, Campos Verdes e Senador Canedo. Também foram apreendidos equipamentos em Goianira, Bom Jesus de Goiás e Vianópolis.

Professor de educação física preso suspeito de ter e compartilhar material de pedofilia — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Professor de educação física preso suspeito de ter e compartilhar material de pedofilia — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Esta foi a segunda fase da Operação Meu Zeloso Guardador. Em outubro do ano passado, na primeira etapa, foram presos 28 homens.

“São homens das mais variadas classes sociais, idades, muitos com uma vida acima de qualquer suspeita. As famílias ficaram até chocadas”, disse a delegada Sabrina Leles.

Um dos presos fazia parte de um grupo de conversas em um aplicativo que tinha no nome, siglas relacionadas à pornografia infantil.

“Em uma das conversas eles fazem até deboche depois de uma operação nacional feita em maio, falando que qualquer dia a polícia ia prender a quadrilha de Goiás. E essa é nossa resposta a eles”, disse a delegada.

Conversa em celular de preso que mostra deboche a operação contra pedofilia — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Conversa em celular de preso que mostra deboche a operação contra pedofilia — Foto: Polícia Civil/Divulgação

A princípio, os materiais eram baixados da internet, e não produzido pelos suspeitos. Porém, todos os equipamentos serão periciados.

Os presos vão responder pelos crimes de posse e compartilhamento de material pornográfico infanto-juvenil.

Por Vitor Santana, G1 GO

14/08/2019



print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*