Marido suspeito de espancar mulher é solto na audiência de custódia, em GO

Um homem, suspeito de espancar a própria esposa, foi solto após audiência de custódia, enquanto a vítima ainda estava internada em um hospital de Goiânia. A delegada Ana Elisa Gomes Martins, responsável pelo caso, contou que a mulher foi atingida por socos, chutes e até um cabo de rodo. Conforme a delegada, a agressão aconteceu na última quarta-feira (22), na casa em que o casal mora, na capital. A vítima relatou à Polícia Civil que o marido chegou em casa pedindo dinheiro para comprar drogas, mas ela não tinha. A solução do homem seria vender a bicicleta da família, mas o filho deles havia ido com o veículo até a casa da avó paterna, onde passaria a noite. Ao saber da informação, o homem começou a agredir a mulher.

“Ele chegou por volta de 4h e estava em crise de abstinência, desorientado. Quando soube que o filho tinha saído na bicicleta ficou muito nervoso e começou a agredi-la, jogou-a no chão, deu muita paulada nela, chute, soco, tapa, até que ela desmaiou. Ela foi socorrida pelo filho de 9 anos quando ele chegou da casa da avó. Ele pediu ajuda dos vizinhos que chamaram socorro”, afirmou.

Ainda conforme a delegada, a vítima precisou ser internada e só recebeu alta no domingo (26), quando fez a denúncia. No entanto, o suspeito do crime, que foi preso em flagrante horas depois do ocorrido, já havia sido solto no dia seguinte à prisão, após audiência de custódia.

Ana Elisa pontua que, o ideal, seria que juízes especializados presidissem essas audiências. “Uma Justiça especializada, com audiências de custódia voltadas, realmente, para o atendimento desses casos seria o mais interessante e o mais adequado. Se fosse tratado pelo Juizado de Violência Domestica, as situações seriam tratadas com mais sensibilidade”, afirmou.

Segundo ela, a vítima já fez a denúncia do caso e foi feito o pedido para a medida protetiva dela.

O Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO) informou à TV Anhanguera que não recebeu pedido para que algum juiz do Juizado da Mulher presidisse a audiência de custódia.O órgão pontuou que, se receber uma solicitação do tipo, analisará a proposta.

 

 

FONTE: G1GO

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*