Jovens presos por arrastão disseram que escola ‘era alvo fácil’, segundo delegado

Os dois jovens presos suspeitos de fazer um arrastão em uma escola em Abadia de Goiás, na Região Metropolitana de Goiânia, confessaram o crime à Polícia Civil e disseram que sabiam que o local “era um alvo fácil”. Em vídeo, Matheus Pacheco Rodrigues, de 21 anos, e Wellington Sampaio do Rosário, de 18, contaram que se planejaram e foram ao colégio horas antes de invadir a unidade (veja acima). Além deles, um menor de 17 anos também foi apreendido por envolvimento no assalto.

O arrastão aconteceu na noite do dia 28 de março e foi flagrado por câmeras de segurança. Na época, a Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), informou que três suspeitos mascarados pularam o muro da unidade, roubaram dezenas de objetos, como celulares, joias e objetos de valor, e fugiram com mochilas. Apesar do susto, ninguém ficou ferido.

O delegado Arthur Fleury, titular da Delegacia de Guapó, que investigou o caso em parceria com a Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), diz que os maiores confessaram o crime. “Eles contaram foram até a escola horas antes, entraram pela entrada principal, juntamento com os alunos, e viram que a unidade era um alvo fácil. Depois, pularam o muro e cometeram o crime”, relatou.

Segundo o delegado, as imagens de câmeras de segurança da escola foram importantes para que a corporação chegasse até os autores, assim como um monitoramento por meio de redes sociais.

“No vídeo nós vimos que um dos assaltantes usava uma máscara. Depois, identificamos fotos em redes sociais do Matheus, no qual ele aparecia com a mesma máscara. Depos de ser preso, ele explicou que, durante o arrastão, foi o Wellington quem usou o item para esconder o rosto, enquanto recolhia os pertences das vítimas. Já o menor ficou na porta, armado, para prestar apoio e o Matheus ficou do lado de fora, em um Corsa vermelho, para agilizar a fuga”, explicou o delegado.

 Arrastão em escola foi registrado por câmeras de segurança em Abadia de Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Fleury explicou que, ao longo das investigações, a polícia também conseguiu localizar receptadores que comprar os itens roubados na escola e, a partir disso, não houve mais duvidas sobre os autores. “Com isso, na última sexta-feira (7), conseguimos efetuar a prisão dos dois maiores e apreender o menor. Todos eles foram localizados em Goiânia, sendo que conseguimos recuperar com eles alguns dos objetos roubados, assim como o Corsa usado no crime”.

O delegado diz que, na manhã de sábado (9), pediu a prisão preventiva dos dois maiores e a internação provisória do menor. “A Justiça acatou os pedidos e os mandados foram cumpridos. As investigações continuam no sentido de descobrir se mais alguém deu apoio ao arrastão e também para recuperar os demais objetos roubados e que já tinham sido passados para frente”.

Fleury explicou, ainda, que Wellington e Matheus, que não tinham passagens pela polícia, vão responder por roubo, associação criminosa, porte ilegal de armas, receptação, além de corrupção de menores. Os dois seguem em uma cela da Deic. Já o adolescente está na Delegacia de Apuração de Atos Infracionais (Depai).

Preso por arrastão postou foto em rede social com máscara usada no crime (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Preso por arrastão postou foto em rede social com máscara usada no crime (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Reforço da segurança

Logo após o arrastão, a Seduce informou que “a Polícia Militar, por meio do Batalhão Escolar, realiza trabalho preventivo com visitas às escolas e atendimento das ocorrências policiais” e que, “devido ao fato ocorrido, esse trabalho será intensificado”.

“A Seduce informa que já solicitou à Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) o reforço do policiamento na região e ressalta ainda que não se trata de um fato isolado, mas um reflexo da violência que ocorre fora dos muros da escola não apenas em Goiás, mas em todo o país, apesar dos esforços das autoridades em conter a ação dos bandidos”, diz o texto da nota.

A PM também destacou, na época, que ia intensificar o policiamento na região.

FONTE: G1GO

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*