Após lançamento americano, Rússia diz que tem “pai de todas as bombas”

Arma russa teria quatro vezes mais potência e integra arsenal da força aérea. Os dois países atuam em lados diferentes da guerra da Síria e têm interesses conflitantes

Meio de comunicação russos se apresaram em responder, pelo menos no papel, ao lançamento da bomba GBU-43, conhecida como “mãe de todas as bombas” e considerada a mais potente do arsenal não-nuclear dos Estados Unidos. Jornais lembraram que Moscou possui um outro projétil, quatro vezes mais potente, que seria “o pai”.

Segundo a Agência EFE, a arma é cercada de cuidados e quase tudo que a envolve é tratado como confidencial. A Agência Sputnik divulgou, no entanto, que ela é conhecida como Bomba Aérea de Vácuo de Potência Aumentada (AVBPM, na sigla em russo) e é uma bomba termobárica, ou seja, que funciona a vácuo.

Estados Unidos e Síria estão diretamente envolvidos na guerra da Síria, onde têm interesses opostos: Os EUA se opõem ao governo do presidente Bashar Al-Assad, aliado dos russos. A bomba americana foi lançada no Afeganistão, mas o fato de eles terem lançados 59 mísseis contra uma base aérea síria na semana passada pode ter causado apreensão na Rússia.

A AVBPM foi testada pela primeira vez em 2007, pela força aérea russa, tendo sido lançada de um bombardeio estratégico. Nos testes, ela arrasou por completo um bloco de apartamentos. Apesar de ser mais leve que a GBU-43, a bomba da Rússia equivale a 44 toneladas de TNT. Não há informações sobre quem a fabrica nem sobre quantas delas o país possui.

Segundo as forças armadas russas, a bomba está destinada principalmente a liquidar complexos de cavernas e túneis subterrâneos usados como esconderijos por “terroristas”. A Rússia garante que a arma não afeta o meio ambiente, mas é absolutamente fatal aos seres vivos, que são “literalmente vaporizados” pela bomba.

 

 

FONTE/ JORNAL OPÇÃO

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*