Travesti é suspeita de matar traficante que se recusou a manter relação sexual.

A Polícia Civil prendeu na segunda-feira (24) a travesti Michele Brasil, de 26, suspeita de matar um traficante de drogas no Bairro São Francisco, em Goiânia. As investigações mostram que o crime aconteceu porque o homem não tinha drogas para vender e se recusado a ter relação sexual com ela, o que gerou uma discussão. Michele já tinha sido presa e respondia em liberdade por outro assassinato.

O crime aconteceu na sexta-feira (21). Testemunhas afirmaram que a vítima, que ainda não foi identificada, estava em uma mesa de bar com garotas de programa, quando Michele se aproximou querendo comprar droga.

“O traficante disse que não tinha drogas para vender a ela. Na sequência, ela ofereceu R$ 50 para fazer sexo oral nele e a vítima recusou e chegou a ofendê-la. Os dois começaram a brigar e a Michele disse que voltaria para matá-lo”, contou o delegado responsável pelo caso, Thiago Martimiano.

A jovem, então, voltou minutos depois e deu três facadas no homem, que morreu no local. Segundo a polícia, Michele fugiu para Trindade onde ficou escondida por dois dias. Os agentes fizeram campana para vigiar locais onde ela costumava frequentar e conseguiram prender a suspeita em flagrante. De acordo com o delegado, ela confessou o crime.

Liberdade provisória

Michele chegou a ser presa no dia 20 de dezembro na Operação Divas, da Polícia Civil. Ela era suspeita de um homicídio contra outra travesti em julho de 2016. “Ela ficou presa até 27 de janeiro desse ano, quando ganhou a liberdade provisória para responder o crime em liberdade. Ela era suspeita além de um homicídio, por organização criminosa. Aí três meses depois comete outro assassinato”, contou o delegado.

Agora, Michele vai ser indiciada por homicídio qualificado e será encaminhada para o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Se condenada, ela pode ficar presa de 12 a 30 anos.

FONTE: G1 GO

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*