IR: Cuidado, não se pode perder o prazo de entregar a declaração

Faltam três dias para o vencimento da declaração do Imposto de Renda Pessoal Física 2017 e, até as 17h de ontem haviam sido recebidas 18.812.291 declarações. Mas o esperado é que 28,3 milhões de contribuintes entreguem a documentação necessária. Em média, dez milhões de pessoas ainda não declararam o IRPF. A recomendação é que seja declarado o imposto mesmo que incompleto, para depois solicitar retificação.

A sugestão foi dada pelo economista Newton Marques, garantindo que isso evita o pagamento da multa. “Porque no fundo, pedindo a retificação, você estará declarando o imposto novamente”. Para ele falta educação financeira no cotidiano das pessoas. “Muitos têm trauma de matemática, dificuldade de mexer com números”, relata. Mas ele afirma que nada disso justifica o atraso da declaração. Depois de vencer o prazo de entrega, o valor mínimo da multa é de R$ 165,74. O máximo é 20% do imposto que devido.

Ele acredita também, que muitas vezes a pessoa atrasa a entregar o imposto de renda, porque uma fonte de rendimento atrasou. “Há quem seja vítima da empresa que tinha de apresentar o valor”, cita. Como ele estava aguardando as informações dos dependentes, o economista é um dos que não declarou o imposto. “Brasileiro sempre acha que vai ter prorrogação do prazo. Assim como alguns acreditam que o homem não foi à Lua, tem quem acredite que não vai pagar multa”, finaliza.

Deixando para a última hora todos os anos, o empresário Paulo Miranda, 50 anos, conta que o contador dele é de Unaí e por isso ele ainda não fez a declaração. “Mesmo tendo que enfrentar um sistema demorado porque todo mundo deixa para os últimos dias, sempre dá certo”. Muito tranquilo, ele explica que está tudo contabilizado, mas ele não fez questão de se antecipar.
Quem também já colocou toda a documentação necessária em dia, foi o gerente comercial Edson Bessa, 51 anos. Entretanto, ainda não efetivou a declaração. “Vou deixando para um dia, depois o outro, até que vai vencendo o prazo”, confessa. Mas se mostra positivo: “Sempre deu certo”.

O empresário Mozar Gomes do Nascimento, 63 anos, provoca: as pessoas não precisam declarar o imposto de renda antecipadamente. “Não tem problema deixar para a última hora”. Ele estava viajando e garante que vai declarar na quinta-feira.

A recomendação da conselheira Sandra Batista, do Conselho Federal de Contabilidade do Distrito Federal, é que as pessoas além de declarar o IRPF incompleto para pedir a retificação, não deixem passar muito tempo para isso. “Se demorar para pedir a retificação o contribuinte pode ser autuado”, adverte.

Ela acrescenta que as pessoas devem ter segurança sobre o que é o IRPF e sobre o que irão declarar. Sandra comenta que a maioria dos problemas do declarante decorre de erro de digitação dos documentos, ou de esquecerem alguma informação importante. A Receita Federal entende como omissão.

Na dúvida, recorra a um especialista

Outra dica dada por Sandra, é que quem tem dificuldade ou não tem afinidade com o sistema financeiro, deve procurar ajuda técnica. “As pessoas costumam pedir ajuda para os familiares ou amigos, e isso não é recomendado”, alega. Ela explica que por um custo-benefício do contribuinte, é mais recomendável buscar um especialista.

Ela estimula a procura de contadores ou agências especializadas para evitar dor de cabeça. “Até porque, se der algum problema com os cálculos dos documentos, vai ser responsabilidade do especialista. Caso tenha sido feito por alguém próximo, a situação fica mais delicada”, argumenta.

De acordo com a Receita Federal, deverá declarar, neste ano, o contribuinte que recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2016. O valor subiu 1,54% em relação ao ano passado, quando somou R$ 28.123,91 (relativos ao ano-base 2015).
Quem optar pelo desconto simplificado, abre mão de todas as deduções admitidas na legislação tributária em troca de uma dedução de 20% do valor dos rendimentos tributáveis, limitada a R$ 16.754,34, mesmo valor do ano passado.

Confira as dicas finais para os contribuintes

Até quem não é obrigado pode sair ganhando se declarar
– Quem enviou a declaração do imposto no início do prazo, sem erros, omissões ou inconsistências, receberá mais cedo a restituição do Imposto de Renda – caso tenham direito a elas. Idosos, portadores de doença grave e deficientes físicos ou mentais têm prioridade.
– As restituições começarão a ser pagas em 16 de junho e seguem até dezembro, para os contribuintes cujas declarações não caíram em malha fina.
– Quem cair na malha fina terá mesmo de esperar. Não é possível saber de imediato qual o problema encontrado, ou mesmo se existe efetivamente esse problema.
– A multa para o contribuinte que não fizer a declaração ou entregá-la fora do prazo será de, no mínimo, R$ 165,74. O valor máximo chega a 20% do imposto devido.
– Mesmo quem não é obrigado a declarar pode sair ganhando com isso. Mesmo sem atingir o limite que obriga a declarar (este ano, R$ 28.559,70), em função da faixa salarial, pode ter sofrido retenção na fonte passível de restituição.

 

 

FONTE: JORNAL DE BRASILIA

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*