UFG repudia agressão a estudante durante manifestação em Goiânia; rapaz segue em UTI com quadro grave

A Universidade Federal de Goiás (UFG) repudiou a agressão contra o estudante Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, durante uma manifestação contra as reformas trabalhista e previdenciária, em Goiânia. Um vídeo mostrou o momento em que um policial militar dá um golpe de cassetete na cabeça do rapaz. Ele segue internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com quadro de saúde grave.

Mateus cursa o 3º período de ciências sociais na UFG. A universidade destacou, em nota, que “é histórica defensora do direito à livre manifestação e condena com veemência atos de repressão que venham a cercear esse princípio democrático”. A instituição ressaltou que o reitor Orlando Amaral “irá cobrar da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária a adequada apuração dos fatos e a punição dos responsáveis”.

A agressão contra Mateus ocorreu no início da tarde de sexta-feira (28), durante manifestações e greve geral realizadas em Goiânia. Um grupo de mascarados entrou em confronto com policiais militares. Imagens mostraram quando o estudante levou o golpe na cabeça e o PM que cometeu a agressão saiu correndo. Já o estudante caiu no chão e recebeu os primeiros socorros de outros manifestantes.

Em outras imagens, Mateus aparece deitado já no canteiro central da avenida e recebe atendimento do Corpo de Bombeiros. Logo em seguida, ele foi levado de ambulância para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde permanece internado. Ele sofreu traumatismo cranioencefálico (TCE) e múltiplas fraturas.

De acordo com boletim médico, divulgado na manhã deste sábado (29), o rapaz segue sedado e intubado na UTI. Não há previsões de cirurgia.

A família do estudante é de Osasco, na Grande São Paulo, e deve chegar a Goiânia nesta tarde. Enquanto isso, Mateus é acompanhado por amigos no hospital.

FONTE: G1GO

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*