Afastamento de Eurípedes Júnior é a única forma de impedir a extinção do Pros pela Justiça Eleitoral

Eurípedes Júnior estava gerindo o Pros como se fosse um negócio de sua família e foi barrado pela Justiça

Rodrigo Melo deve assumir o comando, provisoriamente. Deputados federais querem assumir o controle do partido

Eurípedes Júnior estava gerindo o Pros como se fosse um negócio de sua família e foi barrado pela Justiça
Há dois caminhos para o Pros: a extinção e pura e simples do partido ou a destituição de seu presidente nacional, Eurípedes Junior. O uso abusivo do fundo partidário, supostamente para enriquecimento próprio e familiar, é o calcanhar de aquiles do prosista.

Eurípedes Júnior deve ser afastado por 180 dias, mas é praticamente certo que não voltará mais ao comando do Pros. Há um movimento nacional para afastá-lo de vez, pois, se isto não acontecer, o partido será extinto.

Rodrigo Melo, secretário do prefeito Iris Rezende, deve assumir provisoriamente o comando do Pros. Mas dificilmente permanecerá por muito tempo na direção. Porque deputados federais, alguns deles com prestígio nacional, estão disputando o comando e, amparados pelas denúncias do Ministério Público e pela Justiça, deverão assumir a liderança partidária.
O que se comenta em Brasília é que Eurípedes Júnior não tem maturidade política para dirigir um partido. Por isso, “lambuzou-se”.

Do Jornal Opção

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*