BOMBA: JUNIOR FRIBOI DIZ QUE LEVOU “CONTRIBUIÇÃO GRANDE” PARA SENADOR CAIADO

Na semana em que Caiado esbravejou por conta das delações dos irmãos Batista, circularam na internet matérias publicadas na imprensa em que José Batista Júnior, o Júnior da Friboi, relata ter dado, na casa dele, uma “contribuição grande para a campanha de Caiado para o Governo de Goiás, em 1994. Nos dias de hoje, é o que se definiria como doação delivery.

“Contribuí com ele na campanha. Fui na casa dele, levei uma contribuição grande”, disse Júnior ao jornal O Popular em 2010, ano em que ele – um dos fundadores da JBS e irmão de Wesley e Joesley – se filiou a partido político com a intenção de entrar para a política. A declaração completa de Júnior do Friboi é: “Não tenho nada contra o Caiado. Admiro muito ele, inclusive ele foi fornecedor nosso (da JBS), ele é pecuarista. A base política dele foi da União Democrática Ruralista – UDR, fundada em 1986). Ele cometeu um equívoco, fez o maior leilão, acho, do Brasil, foi em Brasília, para arrecadação (de recursos) para defender os direitos ruralistas. Nós participamos disso”, disse Júnior.

O empresário prosseguiu: “E depois ele desviou o foco para ser candidato à Presidência da República. Quando ele foi candidato a governador do Estado, contribuí com ele na campanha. Fui na casa dele, levei uma contribuição grande para ele na época”. Para bom entendedor, meia palavra basta. Levar uma contribuição grande para a casa de alguém é, em português claro, transportar dinheiro vivo e não declarado para fazer caixa 2 de campanha, quem sabe para uso extra. Simples assim.

Apesar de, no dia anterior, Júnior ter sido violentamente atacado pela verborragia de Caiado, também em O Popular, Júnior se mostrou paciente. Mas fez uma revelação: o hoje senador não tem uma vida nem um pouco modesta, a ponto de precisar de um grande abatedouro para dar conta de sua produção de gado de corte. “Nós abatemos o gado dele sempre que nos deu preferência. Respeito o Ronaldo muito. Agora, acho que isso (as críticas) deve fazer parte da estratégia política dele. Porque no fundo não acredito que ele queira me prejudicar. Ele tem de ter uma história para contar e a história é defendendo o produtor”, disse Júnior, que em 2014 tentou ser candidato a governador pelo PMDB, mas acabou levando uma rasteira de Iris Rezende e de Caiado.

No dia seguinte, Caiado voltou aos ataques ao empresário da carne, que abatia seu gado: “A entrada de Júnior do Friboi na política é a desmoralização do processo político eleitoral em Goiás. Ele acha que se impõe pelo dinheiro. Sempre combati Júnior do Friboi, sanguessuga do produtor rural. Júnior do Friboi não tem condições de ser empresário muito menos político. Aqui tem um pouco do que é Júnior do Friboi, o rei do cartel”, disse o hoje senador.

 

RESPOSTA DO SENADOR CAIADO SOBRE O ASSUNTO!

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), reforça que calúnias proferidas por sócios do grupo JBS contra a sua pessoa já foram alvo de interpelação judicial e de retratação pública. Em uma entrevista a um veículo de Goiás, em 2010, o empresário conhecido como Júnior Friboi, irmão de Joesley e Wesley Batista, mentiu ao afirmar que havia doado para uma campanha eleitoral do senador Caiado em 1994.

Após interpelação judicial, Júnior Friboi se retratou publicamente afirmando ter mentido sobre o tema. “Nunca recebi e jamais aceitei ajuda desse grupo em minhas campanhas”, reforça Caiado. O mais intrigante é que o processo chegou a sumir “misteriosamente”, embora o senador Caiado tenha guardado uma cópia do documento conforme revela o link abaixo.

“Eu tinha cópia e o recuperei para comprovar quem está com a verdade. Veja como essas pessoas atuam. E outro detalhe: ele estava em Nova York na época!”, complementou o senador.

Veja o processo em que Ronaldo Caiado interpela Júnior Friboi!

FONTE: CANALGAMA.COM.BR
print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*