Valores do pedágio aumentam na BR-060 e BR-153 em Goiás

Pedágio na BR-153, em Professor Jamil, Goiás (Foto: Táliton Andrade/G1) Pedágio na BR-153, em Professor Jamil, Goiás (Foto: Táliton Andrade/G1)

Reajuste foi autorizado pela ANTT e, segundo a concessionária que administra as rodovias, acontece por conta de lei que determina investimento maior em recuperação asfáltica.

Os valores do pedágio nos postos de cobrança da BR-060 e BR-153 foram reajustados nesta terça-feira (27), em Goiás. O aumento foi autorizado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e, segundo a Triunfo Concebra, concessionária que administra as rodovias, a mudança de preço está prevista no contrato (confira todos valores abaixo).
Os motoristas de carros de passeio, que pagavam R$ 4,30 ao passarem por Alexânia, no Entorno do Distrito Federal, pagarão R$ 5,30. Em Goianápolis, o valor passa de R$ 3,10 para R$ 3,90. Em Professor Jamil, o preço aumentou de R$ 4,60 para R$ 5,70, e Itumbiara, R$ 6,90.
Entre os novos valores, a cobrança mais barata é para os motociclistas. Quem passar de moto por Alexânia pagará R$ 2,65. Já em Goianápolis, o pedágio custa R$ 1,95. Em Professor Jamil, o valor é R$ 2,85. Em Itumbiara o preço é R$ 3,45.

Caminhões
A empresa ressaltou que um dos principais fatores que impactaram o reajuste foi uma lei que determina que a concessionária faça um investimento maior em recuperação asfáltica em virtude do sobrepeso de caminhões de cargas.
Com os novos valores, o preço do pedágio para caminhões varia de R$ 7,80 para veículos leves em Goianápolis, na Região Metropolitana de Goiânia, a R$ 41,40 para caminhão com reboque ou semi-reboque em Itumbiara, no sul de Goiás.

Novos valores de pedágio já estão em vigor em Goiás (Foto: Reprodução/Triunfo Concebra)

Concessão
Mais de 1,1 mil quilômetros de extensão das rodovias BR-060, BR-153, em Goiás e Distrito Federal, e BR-262, em Minas Gerais, foram concedidos para a iniciativa privada no dia 5 de março de 2014. O objetivo, segundo a ANTT, é a exploração da infraestrutura por 30 anos.

Do G1 Go

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*