Ministro da Fazenda diz a jornalistas que a economia vai bem

Para Meirelles, o mercado brasileiro tem mantido relativa estabilidade

Em entrevista realizada nesta manhã de sexta-feira durante a cúpula do G20, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles disse a um grupo de jornalistas que a economia brasileira vai bem.  Segundo ele, “Estamos administrando de uma forma bastante focada e concentrada na agenda econômica. O mercado tem mantido relativa estabilidade”, afirmou.

Meirelles relatou ainda que foram feitos alguns reajustes quanto ao cronograma de aprovação de medidas que estavam na pauta, como a reforma trabalhista e a reforma da previdência. Ambas devem ser discutidas e votadas no segundo semestre de 2017.

Quando indagado sobre a denúncia contra o presidente Michel Temer, disse que acredita que esta não deverá ser aceita na Câmara dos Deputados. Já frente à possibilidade de perguntas vindas dos colegas, também ministros participantes do G20, sobre a situação atual do país frente à crise política, Meirelles afirmou que a resposta será uma só – que as instituições estão em funcionamento, conforme a Constituição.

“Existe um funcionamento normal das instituições, e, o mais importante, do ponto de vista dos ministros de economia, é que a economia funciona bem e está dando mostras de resiliência e de força neste período de certa incerteza”, explicou.

Protestos

Antes mesmo de começar, o evento trouxe protestos. Milhares de pessoas marcharam na tarde de quinta-feira (06) contra a cúpula, realizada na cidade portuária de Hamburgo, na Alemanha. Um forte esquema de segurança foi montado no local e após uma tentativa de invasão ao centro da cidade, bloqueado para a chegada de líderes mundiais. A polícia reagiu afugentando os manifestantes com canhões de água, gás e cassetetes, que em resposta, respondeu com pedras, garrafas e foguetes.

Ontem houve ainda uma série de apresentações com música com artistas consagrados, como Shakira e Coldplay. As apresentações foram marcadas por discursos de teor político, carregados de pedidos de mudanças.

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*