Câmara pede providência contra burocracia cartorária

No requerimento os vereadores ressalta que diversos segmentos reclamam dos serviços

15 vereadores de Formosa, cidade goiana do Entorno do Distrito Federal, votaram a favor de requerimento, em que solicitam esclarecimentos ao novo titular do Cartório de Registro de Imóveis da cidade e 1º Tabelionato de Notas, José Túlio Valadares Reis Júnior, sobre a morosidade e elevada burocracia na prestação de serviços à comunidade.
Pedido encaminhado pelos vereadores e representantes da sociedade foi encaminhado à Assembleia Legislativa, no sentido de que seja acionada a Corregedoria de Justiça do Tribunal de Justiça de Goiás para averiguação e que providências sejam tomadas quanto à “não prestação condigna dos serviços à comunidade” por parte desses cartórios de registro de imóveis.
No requerimento, os vereadores ressaltam que diversos segmentos da sociedade, como empresas e empreendedores imobiliários, de topografia, proprietários rurais, advogados, famílias com espólios, inventariantes, adquirentes e transmitentes de imóveis urbanos e ainda de outras serventias, reclamam da “falta de eficiência e celeridade dos serviços do cartório de imóveis da cidade”.
Sustentam os vereadores que, após mudar a direção dos cartórios de Formosa, recentemente, implementou-se uma nova sistemática de atendimento, de prazos, de aceitação de documentos, de cobranças de valores e, principalmente, de exigências que “penalizam a população interessada em quaisquer procedimentos necessário, parecendo até que tudo era feito de forma errada ou até mesmo de forma ilegal”.
Empresários de Formosa, segundo apurou a reportagem, estão se fazendo acompanhar por advogados ao irem tratar de assuntos no Cartório de Registro de Imóveis, tamanha as exigências em novas devolutivas e “cobranças exageradas que são apresentadas pelo titular”.

Formosa, que já alcança 120 mil habitantes, vive uma crise econômica sem precedentes, principalmente causada pela administração pública ineficiente e pela perda de interesses dos empresários em investirem no município, o que reduz a geração de empregos e renda à comunidade.

Fonte: DM  POR HELTON LENINE

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*