Moradores do prédio que desabou no Centro de SP dormem na rua e sofrem com frio, fome e furtos

Prédio era ocupado por 372 pessoas. Homem de 53 anos disse que teve sapatos e roupas levados enquanto dormia.

Moradores do prédio que desabou no no Largo do Paissandu, no Centro de São Paulo, após um incêndio dormiram na rua na madrugada desta quarta-feira (2) e enfrentaram frio, fome e furtos. Alguns se recusaram a ir a abrigos porque dizem que não são moradores de rua e querem uma moradia fixa.

O prédio era ocupado por 372 pessoas, de 146 famílias, segundo o Corpo de Bombeiros. De acordo com a prefeitura, 320 pessoas foram cadastradas como desabrigadas após o desabamento e 40 delas buscaram atendimento na assistência social. Segundo a Cruz Vermelha, cinco toneladas de doações foram arrecadadas.

“Furtaram meus sapatos e minha bolsa”, disse Rilthon Kelce Maia Brandão, de 53 anos, morador do ‘”prédio de vidro”, como a edificação ocupada irregularmente era chamada.

O cearense que deixou a cidade Russas há cinco meses para “tentar melhorar a vida” na capital teve calçados e roupas levados enquanto dormia ao relento.

Acordado pelo barulho da porta de ferro da padaria próxima, ele acordou enrolado a uma coberta que recebeu de doações. Agora, sem moradia, pede ajuda a uma tia em Fortaleza para voltar ao estado onde nasceu.

Vestido com a camisa do São Paulo e cobertas, José Carlos de Jesus, 30, se alimentou com maçãs e água, doados a Assistência Social e repassados a quem ficou dormindo no Largo do Paissandu, vizinho ao edifício que caiu.

José diz que tem pouco para comer (Foto: Kleber Tomaz/G1)José diz que tem pouco para comer (Foto: Kleber Tomaz/G1).

Quem fez o cadastro na prefeitura à espera de uma nova moradia reclama da falta de soluções para onde ir.

“Estamos eu, a mulher e as crianças na rua. O cachorro morreu”, disse José Carlos de Jesus, 30, enrolado numa coberta para se proteger do frio. O chão também é gelado, segundo os moradores.

Alguns conseguiram barracas, que foram armadas em frente à Igreja da praça. Não foi o caso de Neuza de Souza, 55, que recebeu ajuda da filha para se proteger do frio. Elas dormiram lado a lado, enroladas em cobertas.

A mulher ainda se lembra de como escapou do prédio que ruiu após pegar fogo. “Ouvi gritaria, povo correndo. Deu um estrondo no quinto andar”, disse Neuza.

As causas do incêndio ainda estão sendo apuradas pelas autoridades competentes. Bombeiros e peritos trabalham com as hipóteses de explosão (alguma faísca após vazamento de gás), problemas elétricos (curto circuito) e até criminoso (uma pessoa poderia ter ateado fogo em álcool após briga).

Morador do prédio que desabou Rhilton Brandão com passagem aérea  (Foto: Kleber Tomaz/G1)Morador do prédio que desabou Rhilton Brandão com passagem aérea (Foto: Kleber Tomaz/G1)
Acampamento no Largo Paissandu (Foto: Kleber Tomaz/G1)Acampamento no Largo Paissandu (Foto: Kleber Tomaz/G1)
 Do G1.Globo.com
print