Padrasto é acusado de queimar criança com garfo quente em Formosa

A vítima era agredida fisicamente na boca e no rosto, além de passar fome e viver em um ambiente com péssimas condições de higiene. O padrasto chegou a queimar o rosto da criança com um garfo quente.

Submetida a avaliação psicológica no Centro de Referência Especializada de Assistência Social do Município, a menina demonstrou-se abalada emocionalmente e em sofrimento psíquico.

Familiares confirmaram os maus-tratos. Conforme apurado nas investigações, a mãe e o padrasto também mantinham relações sexuais na presença da criança.

Uma vez elucidados os crimes e o risco em que a criança vivia, ela foi retirada do convívio materno pelo Conselho Tutelar e encontra-se sob responsabilidade de outro familiar.

Mãe e padrasto responderão pelos crimes de maus-tratos e satisfação da lascívia na presença de criança e adolescente, e, caso sejam condenados, podem pegar até cinco anos de prisão.

 De ocorrências policiais
print