Greve dos caminhoneiros deixa postos de Brasília sem etanol

No terceiro dia consecutivo da greve dos caminhoneiros, nesta quarta-feira (23), postos de combustíveis do Distrito Federal começaram a sofrer com a falta de etanol.

Até as 10h30, o problema havia sido identificado em cinco postos de quatro regiões: Asa Norte, da Asa Sul, do Lago Sul e de Taguatinga. Todos atribuem a falta do combustível aos protestos.

Greve de caminhões deixa posto da 206 Norte, em Brasília, sem etanol (Foto: Brena Silva/G1)

Greve de caminhões deixa posto da 206 Norte, em Brasília, sem etanol (Foto: Brena Silva/G1)

“A greve dos caminhoneiros prejudicou o abastecimento de álcool. Precisava ser reposto hoje (quarta) pela manhã e não foi. Estamos perdendo vendas”, disse a gerente do posto Jarjour da 206 Norte, Lourdes Maia. A unidade ainda não fez uma estimativa das perdas.

Devido à falta do combustível, o preço do etanol foi retirado da placa do posto no Eixo L. O litro da gasolina é vendido a R$ 4,47 – entenda por que os combustíveis estão mais caros.

Greve de caminhões deixa posto da 204 Sul, em Brasília, sem etanol (Foto: Brena Silva/G1)

Greve de caminhões deixa posto da 204 Sul, em Brasília, sem etanol (Foto: Brena Silva/G1)

O posto da rede Melhor na 204 Sul não recebe uma carga de etanol desde as 10h de segunda-feira (21). “Falta o produto na base da Petrobras que nos atende”, disse o gerente do lugar, José do Carmo.

Bloqueios no DF

Caminhoneiros fecharam parte de rodovias federais no Distrito Federal na manhã desta quarta-feira (23). Até as 11h, caminhões bloqueavam a BR-060 e a BR-020 e impediam que outros motoristas – inclusive de carros de passeio – passassem pela região.

Até a publicação desta reportagem, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) não sabia informar a extensão do congestionamento causado.

O bloqueio na BR-060 ocorre em dois trechos, um na altura do Engenho das Lajes, no km 30, e outro próximo ao posto Asa Branca, no km 13, ambos no sentido Brasília. Já na BR-020, o ponto de bloqueio é na divisa entre DF e Goiás, próximo à rodovia DF-100.

Caminhoneiros protestando na BR-060, na altura do Engenho das Lajes (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

Caminhoneiros protestando na BR-060, na altura do Engenho das Lajes (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

No primeiro dia de protestos, na segunda-feira (21), caminhoneiros fecharam a BR-070, por volta das 16h, na pista sentido Plano Piloto-Águas Lindas, e causaram transtornos aos motoristas que voltavam para casa.

Na terça-feira (22), os caminhoneiros também fecharam as rodovias que cortam o DF. Ao todo, quatro pistas foram bloqueadas: DF-251, BR-060, BR-070 e BR-080.

Ato nacional

O ato cobra a aprovação do Projeto de Lei 528, que estabelece um o piso para o frete de combustíveis no país. Além disso, a categoria reivindica a redução no preço do óleo diesel e a criação de uma tabela compensatória, que pague aos motoristas por quilômetro rodado.

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (23) novo reajuste no preço dos combustíveis nas refinarias. O preço do litro da gasolina baixou 0,62%, passando de R$ 2,0433 para R$ 2,0306. Já o do diesel caiu 1,14%, de R$ 2,3351 para 2,3083.

Composição do preço da gasolina, segundo levantamento da Petrobras, a partir de dados da ANP e CEPEA/USP (Foto: Divulgação)

Composição do preço da gasolina, segundo levantamento da Petrobras, a partir de dados da ANP e CEPEA/USP (Foto: Divulgação)

As revisões podem ou não refletir para o consumidor final – isso depende dos postos. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), o preço médio do diesel nas bombas já acumula alta de 8% no ano. O valor está acima da inflação acumulada no ano, de 0,92%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

J – FONTE: G1DF

print