Estudo francês que listava benefícios da hidroxicloroquina contra a Covid-19 é retirado do ar pelos próprios autores

Uma das mais populares pesquisas sobre o medicamento foi endossada pelo médico francês Didier Raoult, defensor da cloroquina

RIO – Um estudo francês que dissera ter encontrado benefícios da hidroxicloroquina combinada ao antibiótico azitromicina no tratamento da Covid-19 foi retirado por seus próprios autores.

Trata-se de uma das pesquisas de maior repercussão sobre o assunto, que ganhou popularidade ao ser difundida pela Fox News nos EUA. O médico francês Didier Raoult, o maior defensor da cloroquina e da hidroxicloroquina contra o coronavírus, havia tuitado a pesquisa, classificando-a como “muito boa”.

No Brasil, ela foi amplamente difundida em redes sociais, inclusive para pressionar o então ministro da Saúde, Nelson Teich, a liberar o uso amplo de cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, com hashtags como #TeichLiberaCloroquina. O ministro acabou deixando o cargo.

 

A pesquisa intitulada “Hidroxicloroquina mais azitromicina: potencial em reduzir a morbidade em hospital da pneumonia Covid-19”  foi realizada por uma equipe do Hospital Raymond-Poincaré e liderada pelo médico Benjamin Davido.

Na verdade, o trabalho em questão jamais foi publicado em revista científica com revisão por pares – o processo normal de publicação em ciência. Ele havia sido apenas postado, em 11 de maio, no repositório de pesquisas medRxiv, de onde os próprios autores o retiraram nesta sexta-feira.

No lugar do estudo, agora há somente a mensagem: “Os autores retiraram este manuscrito e não querem que seja citado. Devido à controvérsia sobre a hidroxicloroquina e à natureza retrospectiva de seu estudo, eles pretendem revisar o manuscrito depois da revisão por pares”.

Não ficou claro por que os autores recolheram seu estudo. Davido, o principal autor, também não se pronunciou.

Por Ana Lucia Azevedo – O Globo

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*