Nuvem de gafanhotos na Argentina deixa fronteira com Brasil em alerta

Nuvem de gafanhotos pode chegar ao Brasil Reprodução/ Twitter @gobdecordoba

Insetos já passaram pelo Paraguai antes de chegarem no país vizinho e destruíram plantações. Rio Grande do Sul está em área de perigo

Uma nuvem de gafanhotos na Argentina deixou a fronteira com o Rio Grande do Sul em alerta, já que a praga pode se deslocar e chegar em território brasileiro.

O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Alimentar da Argentina (Senasa) compartilhou nesta terça-feira (23) um mapa com as regiões em perigo, e uma parte do Rio Grande do Sul está inclusa.

⚠️🦗
Hoy la manga fue detectada en cercanías de Perugorria, .
Alrededor de las 12:00 hs levantó vuelo con rumbo sur. Debido al pronóstico del viento es probable que a partir de mañana la misma ingrese a la provincia de .

Ver imagem no Twitter

Os insetos chegaram na Argentina na última semana, no dia 17, depois de passarem pelo Paraguai. Com os fortes ventos, o deslocamento dos gafanhotos é impulsionado. As autoridades da cidade de Córdoba informaram pelo Twitter que estão monitorando a situação e que existe um protocolo de trabalho para ser ativado em caso de pragas.

Pela mesma rede social, o Ministério da Agricultura e o Senasa mostraram o impacto dos gafanhotos em uma plantação de milho, que ficou destruída depois da passagem dos insetos.

Senasa Argentina

@SenasaAR

⚠️🦗 Constatamos la presencia de una manga de proveniente de Paraguay 🇳🇱 en Colonia Santo Domingo, localidad de General Manuel Belgrano, . Estamos evaluando la densidad de la población de la plaga y los daños a los cultivos de maíz y mandioca.

Ver imagem no Twitter
As nuvens costumam acontecer quando o número de membros da população tem um salto exagerado e falta comida na região, fazendo com que todos saiam atrás de alimento. Uma nuvem pode ter até 40 milhões de insetos, como informam as autoridades argentinas.

Apesar dos danos às plantações, os gafanhotos não atacam ou oferecem riscos aos seres humanos, vilas e propriedades.

Por R7

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*