Grupo chinês: vacina para Covid-19 criou anticorpos em 100% dos voluntários

Doctor's hand holding a covid-19 vaccine vial on Chest x-ray background

Imunização é desenvolvida pela estatal Grupo Nacional Biotec da China e foi aplicada em mais de 1,1 mil voluntários saudáveis

O Grupo Nacional Biotec da China (CNBG), um dos candidatos chineses que correm contra o tempo para produzir uma vacina contra o coronavírus, informou neste domingo (28/06) que os primeiros resultados de testagem em humanos sugerem que a imunização da vacina seja segura e eficaz.

De acordo com o grupo, as doses, ainda em período de experiência, induziram a criação de anticorpos de “alto nível” em todos os 1,1 mil voluntários.

Brasil faz acordo com Oxford

Nesse sábado (28/06, o governo federal anunciou um acordo com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, para a produção de uma vacina contra o novo coronavírus.

Antes do anúncio, o Ministério da Saúde enviou resposta à embaixada britânica e ao presidente do laboratório AstraZenecaaceitando a proposta de acordo de cooperação no desenvolvimento tecnológico e acesso do Brasil à vacina. A negociação prevê a compra de lotes da vacina e a transferência de tecnologia.

Se demonstrada eficácia, serão 100 milhões de doses à disposição da população brasileira. Pelo acordo, seriam enviados dois lotes de 15 milhões de doses casa, em dezembro de 2020 e janeiro de 2021. Depois, começaria a produção nacional de outras 70 milhões de unidades.

A produção brasileira será na Bio-Manguinhos, Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos, uma unidade da Fundação Oswaldo Cruz, vinculada ao Ministério da Saúde.

A vacina está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca, sendo uma das mais promissoras e em estado mais avançado no que diz respeito às pesquisas no mundo. No Brasil, a tecnologia será desenvolvida pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), fundação do Ministério da Saúde. O acordo, quando celebrado, prevê a transferência de tecnologia de formulação, o envase e o controle de qualidade.

Por Metrópoles 

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*