Marconi Perillo deve disputar mandato de deputado federal e está de olho em sua rejeição

Marconistas asseguram que a rejeição do ex-governador está diminuindo, mas ainda não possibilita uma disputa para o governo do Estado

O ex-governador Marconi Perillo nunca parou de se movimentar. Na verdade, só o fazia com mais discrição. Pesquisas estão sugerindo que sua rejeição está diminuindo, mas ainda é alta. Parte de seus aliados quer lançá-lo para governador em 2022. Mas ele, que é expert em examinar pesquisas, não quer, ao menos não neste momento. Se a rejeição abaixar um pouco mais, até pensará em disputar o governo. Pensará não é o mesmo que disputará.

 

Na verdade, Marconi Perillo, ao menos agora, pensa em disputar mandato de deputado federal, em 2022. Ele está operando, politicamente, em vários municípios — oferecendo apoio logístico a vários pré-candidatos a prefeito. Em Pirenópolis, na boca da botija, quando o vereador André Pio estava quase se filiando ao MDB, para disputar a prefeitura, o tucano-chefe reapareceu e convenceu o jovem político a permanecer no PSDB. Em Itumbiara, quando um líder estadual quis bancar o médico Murilo Borges para prefeito, o ex-governador ressurgiu e manteve o partido na base do prefeito Zé Antônio. Em Anápolis, seu grupo desidratou Samuel Gemus, que acabou se filiando ao MDB, e está bancando João Gomes para prefeito. Em Valparaíso, pressiona a deputada Lêda Borges para disputar mandato de prefeita, porque o município será uma de suas bases eleitorais em 2022. Em Rio Verde, está bancando um garoto de 21 anos, Clailton Filho, para prefeito. Chegou a conversar, pessoalmente, com Juraci Martins (PSD), que desistiu da disputa, e com Manuel Cearense, do MDB, a respeito da política de Rio Verde. Em alguns lugares, tem incentivado aliança com o MDB — sugerindo que o verdadeiro adversário é o DEM do governador Ronaldo Caiado.

Portanto, Marconi está na ativa, há vários meses. Só não aparecia. Ou aparecia menos. Pouco antes da explosão da pandemia do novo coronavírus, num almoço com o ex-governador Irapuan Costa Junior e os ex-deputados Vilmar Rocha e Frederico Jayme, no Restaurante Panela Mágica do Setor Marista, um repórter do Jornal Opção colheu a informação de que o escritório político do ex-governador estava funcionando a todo vapor. Assim como Iris Rezende, o tucano é um político profissional, casado com a política. A política — os eleitores — pode até abandoná-lo. Mas ele jamais se divorciará dela. É sua grande paixão na vida.

Se for candidato a deputado federal, Marcon Perillo, segundo aliados, acredita que terá votos em todo o Estado. Mas vai trabalhar em algumas cidades-polos, com mais de 25 mil eleitores, e sobretudo em algumas regiões, como o Entorno de Brasília.

ᑭOᖇ ᒍOᖇᑎᗩᒪ Oᑭᑕ̧ᗩ̃O

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*