NOVO DECRETO SUSPENDE PARTE DO ATENDIMENTO EM DELEGACIAS DE GOIÁS; VEJA COMO REGISTRAR CRIMES

Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolecente, no Jardim América em Goiânia, Goiás — Foto: Vanessa Chaves/G1

Como documento prevê o funcionamento alternado, os atendimentos voltam a ser feitos de forma presencial no dia 14 de julho. Medida tem o objetivo de evitar o avanço do coronavírus.

Após publicação do novo decreto do governo goiano, a Polícia Civil suspendeu os atendimentos não emergenciais em delegacias para conter o avanço do coronavírus. Para registrar uma ocorrência neste período, é necessário acessar o site da Delegacia Virtual ou ligar no telefone 197.
Os atendimentos não emergenciais ficarão suspensos ao público por 14 dias, contados a partir do dia em que o documento entrou em vigor, em 30 de junho. Assim, em14 de julho, os atendimentos voltarão a ser feitos de forma presencial.

Somente os casos considerados de emergência serão atendidos neste período inicial, são eles:

Homicídio e feminicídio
Estupro
Sequestro e cárcere privado
Roubo
Furto de veículos
Crimes contra vulneráveis
Crimes contra a administração pública
Lavratura de auto de prisão em flagrante
Casos em que possa ocorrer o perecimento da prova, ou seja, que exija intervenção imediata da polícia
Os registros de furtos de objetos, valores, documentos e celulares, perda ou extravio de documentos e objetos, desaparecimento de pessoa e acidente de trânsito sem vítima podem ser feitos pela internet ou pelo telefone.
Segundo a Polícia Civil não houve redução do efetivo de atendimento e as equipes de investigação estão trabalhando normalmente. A medida serve para evitar aglomeração e deslocamento desnecessário em delegacias.
No caso de atendimentos de emergências nas delegacias, a entrada será controlada pelos policiais civis, sem que haja aglomeração de pessoas. É obrigatório o uso de máscara e álcool 70% para higienização das mãos antes do atendimento.

Por G1 

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*