Aulas presenciais não retornarão antes de setembro em Goiás

Foto: Reprodução

A previsão de retorno às aulas presenciais em Goiás foi adiada para setembro. Após reunião nesta quarta-feira (22), o Centro de Operações de Emergências (COE) recomentou que as escolas permaneçam fechadas no estado até o fim de agosto.

Atualmente, nota técnica do Conselho Estadual de Educação (CEE) determina suspensão até 30 de julho. Um novo documento deve ser emitido, prorrogando até o fechamento das escolas até o fim do próximo mês.

Apesar da prorrogação da suspensão, atividades administrativas dentro das escolas estão liberadas, desde que sejam respeitadas as medidas d segurança, como uso de máscara, garantia do distanciamento e higienização frequente.

Durante a reunião, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO) afirmou que a retomada só será segura quando houver duas semanas consecutivas de queda na curva epidêmica. “Do ponto de vista de saúde, só teremos segurança para retorno quando os casos (de Covid-19) estiverem caindo. Hoje, eles estão subindo”, afirmou a superintendente de Educação em Saúde e Trabalho para o SUS, Luciana Vieira, da Secretaria de Saúde.

Participaram da reunião a secretária de Estado de Educação, Fátima Gavioli; o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação em Goiás (Undime-GO), Marcelo Ferreira; o presidente do Conselho Estadual de Educação de Goiás (CEE-GO), Flávio Castro; e representantes de sindicatos da área da Educação. Os demais membros concordaram que o avanço da epidemia torna inseguro o retorno das aulas neste momento.

s aulas foram suspensas no estado pelo decreto de 15 de março, com prazo máximo para fechamento de escolas no dia 18 de março. Ficou marcada para o dia 15 de agosto uma nova reunião do COE para deliberar sobre um possível retorno em setembro.

Ajustes no protocolo

O COE também recomendou que o protocolo apresentado pela Secretaria de Educação (Seduc) e demais órgãos de educação seja aprimorado e detalhado. Foram citadas necessidades de orientações mais específicas quando houver suspeita de que algum aluno ou professor esteja com Covid-19, além de parâmetros para uso de cantinas e refeitórios e normas para o ensino superior. A Undime afirmou que o protocolo valerá para as redes privada, municipal e estadual.

A Seduc informou que está mantida a previsão de retorno escalonado divulgado anteriormente, com alunos que não tiverem acesso às atividades retornando primeiro e, em seguida, estudantes do tereiro ano do ensino médio.

A reportagem também entrou em contato com representantes do CEE e das escolas privadas, mas ainda não obteve retorno.

Por Diário de Goiás

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*