O que esperar dos confrontos das quartas de final do Paulistão

Com jogo único, é impossível apontar favoritos. Mas cada time tem suas vantagens e desvantagens na briga pelo título estadual

De 2000 para cá, o Campeonato Paulista teve 20 edições e, em 14 delas, pelo menos um dos grandes não ficou nas quatro primeiras colocações. Só em 2000, 2009, 2011, 2015, 2018 e 2019 os gigantes foram gigantes.

Daí a obrigação de se prestar atenção às surpresas nas quartas de final.

Bragantino x Corinthians (quinta-feira, 19h, no Morumbi)

O Bragantino tem força e velocidade. Joga pelos lados com Arthur, ex-Palmeiras, e Morato, ex-São Paulo. Ambos driblam em direção ao gol e o time tem ainda um centroavante goleador, como Ytalo, atual artilheiro do Campeonato Paulista. E a falta de pressão.

Veja que nas últimas semanas, tanto Andrés Sanchez quanto Tiago Nunes fizeram questão de colocar o Corinthians como franco atirador. É uma forma de tentar o impossível: ter a mesma pressão do Bragantino. Jamais será assim.

Porque o Bragantino joga no ataque ou na defesa sabendo que, se perder, perde-se um plano, mas não a semana, o mês, o ano, com discussões intermináveis sobre um vexame. O Bragantino está melhor e é provável que vença o confronto. Mas não dá para desprezar o Corinthians. O palpite aqui é Bragantino.

Tiago Nunes em Oeste x Corinthians — Foto: Marcelo Braga
Tiago Nunes em Oeste x Corinthians — Foto: Marcelo Braga

Palmeiras x Santo André (quarta-feira, na arena, às 21h30)

O Palmeiras seguirá procurando sua nova identidade, depois de perder Dudu. Houve críticas a Vanderlei Luxemburgo por escalar Willian como meia, contra o Corinthians. Ele não jogou como meia. Jogou como atacante, e o Palmeiras passou a atuar com duas linhas de quatro homens.

Bruno Henrique, Patrick de Paula e Rony são garantidos. Willian e Luiz Adriano também. A discussão é o quinto homem destas linhas. Seja Zé Rafael pela direita, como contra o Corinthians, ou Lucas Lima, centralizado, como segundo atacante, mas flutuando.

O Santo André jogará defensivamente e obrigará a encontrar um espaço difícil de se infiltrar. O técnico Paulo Roberto Santos não perdeu nenhum jogo contra time grande, pelo São Bento, em 2018, e repetiu isto na fase classificatória deste ano. O jogo não será fácil. Mas o Palmeiras é favorito.

Vanderlei Luxemburgo, durante a partida contra o Água Santa — Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Vanderlei Luxemburgo, durante a partida contra o Água Santa — Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Santos x Ponte Preta (quinta-feira, às 21h30, na Vila Belmiro)

É um jogo especial. O Guarani terminou a fase classificatória em oitavo lugar, e a Ponte Preta em 13º. Pois a Ponte classificou-se, e o Guarani ficou fora. O Santos sofre pela lentidão na saída de bola e na troca de passes. Mas tem jogadores decisivos, como Soteldo.

O Santos marcou 13 gols e sofreu 12. Não descarte a surpresa: Ponte Preta.

Jesualdo Ferreira durante a partida do Santos contra o Novorizontino — Foto: Ivan Storti/Santos FC
Jesualdo Ferreira durante a partida do Santos contra o Novorizontino — Foto: Ivan Storti/Santos FC

São Paulo x Mirassol (quarta-feira, às 19h, no Morumbi)

O São Paulo é favorito. O grande favorito dos quatro confrontos. O time de Fernando Diniz tem o ataque mais positivo do Paulista, qualidade na saída de bola com Daniel Alves e Tchê Tchê e tanta versatilidade, que o homem do primeiro passe, é o artilheiro do time no ano: Daniel.

São cinco gols, somado o marcado contra a LDU pela Libertadores.

No Paulista, o goleador é Pablo, jogando pelo lado do campo. O que pode melhorar o São Paulo é Pato. Falta a todos os time do estadual um grande goleador. Pato bem que podia ser… se for o jogador que sempre se esperou que possa ser.

Fernando Diniz em ação pelo São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net
Fernando Diniz em ação pelo São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

 

Por PVC – Globo Esporte.com

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*