PM faz operação na Praça Seca; morador morreu após tiroteio na noite de segunda

PMs desembarcam de helicóptero no alto de um morro na Praça Seca — Foto: Reprodução/TV Globo

Disputa de território entre criminosos aterrorizou moradores, que tiveram dificuldade de voltar para casa. Uma idosa de 80 anos foi atingida por um tiro de fuzil na perna e está no CTI de um hospital particular.

Um morador morreu depois de um intenso tiroteio na noite de segunda-feira (27) na Praça Seca, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. A informação foi confirmada pela Polícia Militar, que faz uma operação de inteligência no Morro da Barão na manhã desta terça-feira (28).

O morador chegou a ser levado para o Hospital Carlos Chagas, mas não resistiu.

“Durante o cerco que fizemos, fomos recebidos por disparos oriundos dos marginais. Houve um revide por parte dos policiais militares e essa vítima teria descido do alto da comunidade num veículo escuro, em alta velocidade, com o farol alto aceso”, explicou por telefone, em entrevista ao Bom Dia Rio, o porta-voz da corporação, coronel Mauro Fliess.

O porta-voz disse ainda que “o veículo se chocou com um poste ou muro, ou algo parecido”. A vítima, segundo ele, foi socorrida e “também estava ferida por um disparo de arma de fogo e não resistiu”.

Segundo Fliess, uma outra pessoa foi ferida no confronto e foi levada por moradores para um hospital particular. A PM ainda não tem a identificação da vítima.

Idosa ferida por tiro de fuzil

Prédio onde idosa foi atingida por bala perdida durante confronto na Praça Seca — Foto: Reprodução/TV Globo

Prédio onde idosa foi atingida por bala perdida durante confronto na Praça Seca — Foto: Reprodução/TV Globo

Um parente da vítima disse, no entanto, que se trata de uma idosa de mais de 80 anos que estava assistindo televisão em casa, por volta das 19h, quando foi atingida por um tiro de fuzil. O prédio onde vive a idosa fica a cerca de 2 km da área do confronto.

O tiro teria atingido a coxa da idosa e chegado à virilha. Ela foi levada para o CTI de uma unidade de saúde particular.

Helicópteros sobrevoam a região

Por volta das 7h, dois helicópteros blindados da PM sobrevoavam a região. Os policiais desembarcaram no alto do morro, numa área de mata, e estão em busca de armas e drogas. O local liga várias comunidades entre as zonas Oeste e Norte do Rio – sai na Grajaú-Jacarepaguá – e é usado por traficantes pela facilidade de acesso.

O patrulhamento da PM foi reforçado ainda durante a madrugada.

Uma disputa de território entre criminosos aterrorizou moradores, que tiveram dificuldade de retornar para casa. O tiroteio só parou por volta de meia-noite.

Carros do Batalhão de Operações Especiais (Bope) fizeram um cerco na região.

Vídeos de moradores registraram o intenso tiroteio, que começou por volta das 18h. Os moradores usaram as redes sociais para desabafar:

“Mais de 3 horas de guerra na Praça Seca”.

“Os moradores querem paz. Não aguentam mais a guerra”.

Novas estratégias após decisão do STF

Para Fliess, depois da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que restringiu as operações policiais nas comunidades do Rio durante a pandemia, é preciso buscar novas estratégias de atuação da polícia, inclusive com o uso de tropas especiais, para surpreender os bandidos.

“Dentro desse contexto que estamos vivendo, sobre essa decisão do STF, que respeitamos e cumprimos integralmente, e só iremos atuar em caso de excepcionalidade, mas precisamos reconhecer que a nossa atuação constante, de forma planejada, dentro de áreas conflagradas, que visam salvar vidas, visam preservar deslocamento, essa disputa territorial que faz parte da história do Rio de Janeiro”, disse.

E acrescentou:

“Temos sim que utilizar de novas estratégias, estratégias de cerco, estratégia também de tropas especiais com todo a sua expertise para surpreender os marginais e buscá-los, inclusive nessa área de mata, que é uma área em que o confronto é muito difícil”, comentou o porta-voz.

Policiais em fila fazem operação no alto de morro na Praça Seca — Foto: Reprodução/TV Globo
Policiais em fila fazem operação no alto de morro na Praça Seca — Foto: Reprodução/TV Globo

Confronto entre traficantes e milicianos

No dia 8 de julho, um outro tiroteio atingiu a região e deixou 3 bandidos mortos.

O conflito começou depois que traficantes da Cidade de Deus, do Morro do Dezoito, do Complexo do Lins e da Penha se uniram com o objetivo de dominar áreas que são dominadas pela milícia. Eles invadiram o Morro da Barão, que ocupa uma região estratégica para o controle do tráfico na Zona Oeste.

Coagidos tanto pela violência direto dos confrontos, quanto pelas cobranças das “taxas de segurança” dos grupos paramilitares, famílias vivem com medo ao realizar as mais simples tarefas cotidianas.

Ou eu morro de fome ou eu morro com a bala perdida“, disse, na época, um morador.

Por Fernanda Rouvenat e Guilherme Peixoto, Bom Dia Rio

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*