Bolsonaro dá sinal verde para Guedes testar aceitação de nova CPMF, mas não defenderá proposta

TRIBUTARIA2 BSB DF 21 07 2020 NACIONAL ECONOMIA PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTARIA/SENADO O ministro da Economia, Paulo Guedes fala a imprensa sobre proposta de reforma tributaria entregue ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre e da Camara dos Deputados, Rodrigo Maia, na presidencia do Senado.FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO

O presidente Jair Bolsonaro decidiu dar um tempo para o ministro da Economia, Paulo Guedes, testar a aceitação no Congresso Nacional da criação de um novo imposto sobre pagamentos eletrônicos.

Mas, segundo auxiliares, Bolsonaro não vai fazer uma defesa pública do novo tributo. Sabe que é impopular defender a bandeira do aumento da carga tributária.

“Se colar, colou. Mas o presidente não vai ficar levantando a bandeira da volta da CPMF ou algo do gênero. Ele tem instinto político”, disse ao blog um auxiliar do presidente da República.

A proposta de criar um novo tributo é capitaneada pelo ministro da Economia e já tinha recebido apoio do setor industrial. Mas no próprio Planalto, a avaliação é a de que a chance de passar no Congresso é mínima.

Parlamentares criticam o novo imposto por considerá-lo semelhante à antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro estuda enviar ao Congresso uma proposta de criação de um novo imposto sobre pagamentos eletrônicos, com alíquota de 0,2%.

Segundo Guedes, a intenção é ampliar a base de cobrança, ou seja, a variedade de itens sobre a qual o imposto incide. Com isso, diz o ministro, seria possível reduzir a cobrança sobre outras bases, como a folha de pagamentos.

Nesta quinta-feira (30), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, chamou de “jeitinho” a criação de um novo imposto para bancar a desoneração das folhas de pagamento das empresas.

Por Gerson Camarotti – Globo.com

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*