Copom corta Selic para 2% ao ano, e deixa fresta de porta entreaberta para mais cortes

BC ponderou sobre a necessidade de novos estímulos diante da maior crise desde a Grande Depressão de 30, mas que espaço para mais ajustes, ‘se houver, deve ser pequeno’; trajetória fiscal preocupa

Sem novidades, chegou corte de 0,25 ponto na meta dos juros básicos. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) do Brasil levou a Selic ao novo piso histórico de 2% ao ano nesta quarta-feira (5). A decisão foi unânime.

É a taxa de referência mais baixa desde 1999, quando o nível de preços no Brasil passou a ser controlado pelo regime de metas de inflação. Foi o nono corte consecutivo na rota iniciada em agosto passado, quando a Selic começou a descer do seu então piso histórico, de 6,5% ao ano.

  • Com Petrobras nas cabeças, Ibovesta pega carona nas altas pelo mundo

Em seu último comunicado,há 42 dias, os diretores do BC projetavam que “um eventual ajuste futuro no atual grau de estímulo monetário” seria “residual”. Ou seja, de menor intensidade que o anterior, de 0,75 ponto.

Este comunicado começou com um alerta para a maior crise já enfrentada pelo mundo desde 1930, após a quebra da bolsa de Nova York. No cenário externo, a pandemia da Covid-19 continua provocando a maior retração econômica global desde a Grande Depressão”, diz o texto, e o que “o ambiente para as economias emergentes segue desafiador.”

Nas partes finais, em que sinaliza seus próximos passos, o Copom sinalizou que, se o espaço para este corte já foi menor, para outros eventuais ficou ainda mais estreito. Ou seja, porta aberta para novos ajustes? Só uma frestinha de nada.

Surpresa: aos que achavam que a Selic ficaria necessariamente em 2% ao ano até dezembro, pode não estar mais tão certo assim. Mas pode ser que sim também. Se o último comunicado deixou claro o que aconteceria nesta quarta, daqui a 42 dias a decisão deve ser carregada de suspense.

“O Copom entende que a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas reconhece que, devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno”, descreve o documento.

Fonte: Valor Investe

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*