Doleiro Dario Messer é condenado a mais de 13 anos de prisão em regime fechado

É a primeira condenação do ‘doleiro dos doleiros’ na Lava Jato. Ele se comprometeu a devolver R$ 1 bilhão aos cofres públicos. Defesa de Messer diz que sentença se baseou no depoimento prestado pelo doleiro durante um acordo de colaboração premiada.

O doleiro Dario Messer, conhecido como o “doleiro dos doleiros”, foi condenado pela Justiça Federal do Rio a 13 anos e 4 meses de prisão em regime fechado no processo da Operação Marakata, desdobramento da Lava Jato no Rio, pelo crime de lavagem de dinheiro.

É a primeira vez que Dario Messer é condenado na Lava Jato. Ele foi absolvido da acusação de evasão de divisas.

A sentença foi publicada nesta segunda-feira (17) pelo juiz Alexandre Libonati, da 2ª Vara Federal Criminal do Rio. O juiz não permitiu que Messer recorra em liberdade, e determinou a expedição de mandado de prisão após a pandemia da Covid-19.

“Nego ao réu o direito de apelar em liberdade na medida em que respondeu preso ao presente processo, inexistindo circunstâncias modificadoras do quadro fático que ensejou a prisão preventiva. Conforme já exaustivamente apreciado ao longo da tramitação, o réu dispõe de condições financeiras, possui cidadania paraguaia, esteve foragido por meses e, quando preso, portava documento falso para dificultar sua identificação e prisão.”

Em nota, a defesa de Dario Messer informou que foi celebrado um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal e com a Polícia Federal, já homologado pela justiça.

A defesa diz ainda que “a sentença proferida nos autos da operação Marakata se embasou, dentre outras provas, no depoimento prestado por Dario, a comprovar a eficácia e relevância dos dados apresentados pelo colaborador”.

A nota conclui informando que Messer “permanece à disposição da justiça e colaborando com as autoridades brasileiras”.

Réu em outras ações

 

Messer ainda é réu em outras duas ações penais, decorrentes das operações Câmbio, Desligo e Patrón, que tramitam na 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*