Responsável pelo batismo religioso de Bolsonaro e Witzel, Pastor Everaldo é preso por corrupção

Jair Bolsonaro sendo batizado pelo pastor Everaldo, no rio Jordão, em Israel, em maio de 2016 | Foto: Reprodução

Presidente nacional do PSC é investigado por envolvimento no esquema de desvio de recursos públicos que deveriam ser aplicados no combate ao coronavírus no Rio

Com décadas de vida pública, o Pastor Everaldo foi preso na manhã desta sexta, 28, em meio a uma investigação que apura desvio de recursos públicos da saúde no Estado do Rio de Janeiro. O presidente nacional do PSC é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro — que deveria ser aplicado no combate à pandemia.

Mas essa não é a primeira vez que Everaldo tem seu nome envolvido em escândalos e polêmicas. Everaldo foi chefe da Casa Civil no governo de Antonhy Garotinho, onde formou parceria com Eduardo Cunha, em meados de 1999, na Cedae, a estatal de águas e esgotos do estado.

O pastor, que foi candidato nas eleições presidenciais de 2014, também foi acusado pela operação Lava Jato de receber R$ 6 milhões da Odebrecht para ajudar Aécio Neves (PSDB) em um debate presidencial na TV. No governo Witzel, o pastor retomou o poder sobre a Cedae, com nomeações na deficitária estatal.

A relação com o governador Wilson Witzel (PSC), que foi afastado do cargo pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e é apontado como chefe do esquema de desvios no Rio, também está no campo religioso. O pastor realizou o batismo do governador.

Everaldo e Jair Bolsonaro também tiveram uma relação próxima. Entre 2016 e 2018, o pastor foi companheiro de partido de Bolsonaro, a quem chegou a batizar nas águas do rio Jordão. Enquanto o Senado votava o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), o então o deputado federal, pelo PSC, Jair Bolsonaro, era batizado ao lado de seus filhos em Israel. (Com informações de O Globo).

Fonte: Jornal Opção

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*