DEPUTADOS SUGEREM PROFESSORA DA UNB PARA AUTORIDADE DE DADOS, MAS ELA AFIRMA NÃO TER INTERESSE

Laura Schertel Foto: Divulgação

Nome de Laura Schertel, filha de Gilmar Mendes, foi levado a Jair Bolsonaro por parlamentares

O presidente Jair Bolsonaro recebeu de aliados e deputados a sugestão de Laura Schertel, filha de Gilmar Mendes, para comandar a Autoridade Nacional de Proteção de Dados, mas ela afirma não ter interesse em assumir o cargo.

Com experiência de 15 anos na área de proteção de dados, Laura Schertel participou da elaboração do primeiro projeto sobre o tema formulado pela Câmara dos Deputados.

Agora, a filha do ministro do Supremo atua na área docente e diz não querer retornar à administração pública.

Laura é professora adjunta de Direito Civil da Universidade de Brasília (UnB) e do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), escola do seu pai.

Ela também é doutora em direito privado pela Universidade Humboldt de Berlim, tendo publicado sua tese sobre proteção de dados na Alemanha.

Bolsonaro é o responsável pela nomeação do comando do órgão, que é subordinado à Presidência da República. Ele ainda não decidiu quem assumirá o cargo.

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados vai fiscalizar e editar normas sobre o tratamento de dados pessoais por pessoas físicas e jurídicas.

Nesta semana, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu que a agência fosse independente do governo.

“O ideal é que a agência não fosse vinculada ao governo. A criação da agência debaixo da estrutura do governo foi errada. Quem tiver o comando dos dados talvez tenha o comando do País por muito tempo, por isso é importante ter uma agência de proteção de dados distante do governo”, disse Maia, em uma live.

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*