Combate às queimadas na mata da bica

Há mais de dois meses, Formosa enfrenta um clima seco e quente favorecendo, assim, o surgimento de queimadas. Entre junho e outubro, as queimadas são recorrentes seja por ações antrópicas (pelo homem), acidentais ou até mesmo naturais. São muitos os fatores que provocam os focos de incêndios, como a baixa humidade, tempo seco, temperaturas elevadas, rajadas de vento e claro, as ações do homem.

Na zona urbana, a problemática maior encontra-se nos lotes baldios e nos Parques Ecológicos, como por exemplo a Mata da Bica e o Parque do Abreu. Nos Parques, os incêndios podem começar por acidente e imprudência, ao lançar às margens da mata por exemplo tocos de cigarros, ou simplesmente por vandalismo, como infelizmente é recorrente em Formosa. É importante salientar que incêndio florestal é crime, passível de multa e prisão, conforme a Lei de Crimes Ambientais 9.605/98 e o Código Penal Brasileiro.

Quando há incêndio dentro da cidade, toda vizinhança é prejudicada e há risco iminente de propagação do fogo, colocando a vida e os bens materiais em risco. A fumaça inalada é altamente prejudicial à saúde, ainda mais crianças, idosos e pessoas com problemas respiratórios. Em curtas palavras, lote limpo não pega fogo, então convido a todos a fazer sua parte. Se você tiver algum terreno, não coloque fogo, não coloque sua vida e a vida do outro em perigo. É importante parabenizar o trabalho do Corpo de Bombeiros de Formosa no comando do Tenente Ornelas, que não só nessa época, mas durante todo ano, não medem esforços para atender as chamadas da população, colocando suas vidas em risco em prol da proteção a vida e ao meio ambiente para o bem estar da sociedade. Em casos de emergência, ligue 193.

 

 

Por Nátila Arnold, Lance Goiás

natilaarnold@gmail.com

 

 

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*