Boletim aponta 1.351 focos de queimadas em uma semana em Goiás

Região  Sudoeste  registrou 139 focos de incêndios

O Boletim Queimadas número 16, com período de apuração de 14 a 20 de setembro, aponta que com 120 dias sem chuvas em algumas regiões e umidade relativa do ar em declínio, o monitoramento  realizado  por  meio  de  satélite  detectou 1.351 focos de incêndio em Goiás.

O Boletim Queimadas é divulgado pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), por meio do Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas do Estado de Goiás (Cimehgo)

Já no mesmo período de 2019 foram 3.696 focos  de  queimadas  registrados  em  todo  o  Estado. Dentre  as  regiões  monitoradas  o destaque, no Boletim 16, fica  para  a  região  Sudoeste  que apresentou  no período  de  apuração 139 focos de queimadas na região.

O  gráfico  de  monitoramento  dos  focos  de  queimadas  realizado  por  meio  de satélite nas regiões goianas no período de 01 a 20 de setembro nos anos de 2019 e 2020, demonstra que região sudoeste com números significativos em  focos  de  queimadas. Em  2020  tivemos 506 focos  de queimadas comparado ao ano de 2019 que registrou 910.

Prognóstico

Ainda de acordo com risco de incêndio para o período de 21 a 27 de setembro, o boletim tem os seguintes prognóstico por região:

Oeste: Predomínio de risco alto. No sudoeste da região, entre Jussara e Baliza, ocorrem áreas de risco moderado.

Centro: Na maior parte da região há risco alto. Algumas áreas de risco moderado ocorrem ao norte, entre Nova Glória e Santa Rita do Novo Destino, ao sul, desde Inhumas até Bela Vista de Goiás e Hidrolândia e ao leste da região, entre São Luís dos Montes Belos e Iporá.

Sudoeste: Predomínio de risco moderado em grande parte da região. Áreas de risco alto ocorrem entre Quirinópolis e Lagoa Santa, e ao norte, entre Paraúna e Caiapônia.

Sul: Predomínio de risco moderado em praticamente toda a região. Algumas áreas de risco alto ocorrem ao oeste da região, entre Inaciolândia e Palmeiras de Goiás, entre Cachoeira Dourada e Goiatuba, e ao sul, entre Itumbiara e Corumbaíba. No extremo nordeste, em Ipameri, ocorre faixa de risco baixo.

Leste: Ao sul da região, no município de Cristalina, há área de risco baixo. Risco moderado é observado entre Cristalina e Corumbá de Goiás. Também ocorrem áreas de risco moderado ao leste, entre Cabeceiras e Flores de Goiás, em Sítio d’Abadia e entre Posse e Divinópolis de Goiás

Norte: Predomínio de risco alto. Algumas faixas de risco moderado estão presentes, principalmente, em Monte Alegre de Goiás, Cavalcante, Colinas do Sul e Niquelândia.

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*