Um em cada cinco eleitores de SP pode não ir votar por medo da Covid-19, diz Datafolha

Pesquisa mostra abstenção menor entre eleitores mais ricos e com idade acima de 60 anos
Pesquisa Datafolha divulgada neste sábado mostra que um a cada cinco moradores da cidade de São Paulo pode deixar de votar nas eleições municipais devido ao receio de contrair Covid-19 – ou seja, 20% do eleitorado.  Entre as pessoas com 25 a 35 anos de idade, 27% afirmaram que podem não ir votar, índice bem próximo aos 26% na faixa etária de 35 a 44 anos.
Nas faixas etárias mais altas, o percentual dos que dizem que podem deixar de ir às urnas é menor. Dos entrevistados com 45 a 59 anos, apenas 17% disseram que podem não votar, mesmo índice dos que têm acima de 60 anos e estão dentro do grupo de risco.

Nas últimas eleições para prefeito e vereadores, em 2016, o índice de abstenção na capital paulista chegou a 20,73%, atrás apenas do Rio de Janeiro (21,54%) e Rondônia (20,99%).

Segundo o Datafolha, 34% dos 1.092 entrevistados disseram que não se sentem nada seguros  e 42% dizem ter pouca segurança para ir votar no primeiro turno das eleições, marcado para 15 de novembro. Apenas 24% dos eleitores afirmaram que se sentem seguros. A insegurança é maior entre as mulheres. Entre as entrevistadas, 41% disseram que não se sentem nada seguras para ir às urnas. Entre os homens, este índice cai para 26%.

O eleitorado na capital paulista é, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP), majoritariamente feminino. As mulheres representam 54,1% dos eleitores.

Os mais ricos demonstram mais disposição de ir votar. Entre os entrevistados com renda acima de 10 salários mínimos, apenas 12% disseram que podem deixar de participar das eleições. A maior taxa dos que dizem que podem não votar, de 24%, está entre os que ganham até dois salários mínimos por mês.

Também entre as regiões da cidade há diferenças. No centro e na zona Oeste, 15% dizem que podem não ir votar. Este índice sobe para 20% na zona Sul e para 24% nas zonas Norte e Leste.

Os candidatos a prefeito também terão de estimular seus eleitores a ir às urnas. O percentual dos que podem não votar é de 24% entre os que declaram voto em Celso Russomanno (Republicanos) e de 19% entre os que dizem que votarão no atual prefeito Bruno Covas (PSDB). Entre os que declaram voto para Guilherme Boulos (PSOL) o índice é de 15%. Para Márcio França (PSB), de 16%.

Esses quatro candidatos lideram a disputa pela Prefeitura de São Paulo. Pesquisa do instituto, divulgada na última quinta-feira, mostra Russomano à frente, com 29% das intenções de voto, seguido por Bruno Covas, com 20%. Guilherme Boulos e Márcio França aparecem empatados em terceiro lugar, com 9% e 8% das intenções de voto, respectivamente.

O Datafolha ouviu eleitores acima de 16 anos nos dias 21 e 22 de setembro, presencialmente. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*