Polícia apura hipótese de agiota ser mandante do assassinato dos dois advogados

Polícia Civil de Goiás que investiga a morte Marcus Aprigio Chaves, de 41 anos, e Frank Alessandro Carvalhaes, de 47, agora apura a linha de que o assassinato teria sido encomendando por um agiota. A  2ª fase da investigação agora trabalha para identificar a motivação do crime, ocorrido no dia 28 deste mês, em Goiânia, no próprio escritório de advocacia das vítimas.

A polícia suspeita que as mortes teriam sido encomendadas por um agiota de Luziânia, conforme revelado pela TV Record. Conforme a emissora, o escritório dos advogados ganharam a causa de um cliente que acumulou junto ao agiota no valor  de cerca de R$ 3,5 milhões. O caso ganho pelos advogados rendeu ao cliente que ele arcasse com o valor de R$ 300 mil. O fato teria provocado ira no agiota.

A outra vertente que a polícia também apura é de latrocínio (roubo seguido de morte), cuja versão é contada por um dos suspeitos de efetuar os disparos, Pedro Henrique Martins Soares. No entanto, a polícia não descarta nenhuma hipótese no momento e segue apurando os fatos.

 

Por Poder Goiás.

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*