Blecaute na Saúde afeta prestação de contas sobre gastos durante a pandemia

As falhas nos sistemas de informática do Ministério da Saúde completam uma semana e continuam enfrentando empecilhos para serem normalizadas. Agora, os problemas afetam uma parte crucial e causam blecaute na transparência com gastos públicos.

Metrópoles apurou que das 16 plataformas de prestação de contas do Localiza SUS, canal de divulgação do Ministério da Saúde para gastos, compras, contratos e estoques — por exemplo, de testes e remédios — referentes à pandemia, somente quatro estão operando. Ainda assim, apresentam instabilidade interna e de acesso público.

A pasta aponta que o maior prejuízo, até o momento, é para a consolidação dos dados da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Ao menos sete estados, segundo fontes do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), reportaram oficialmente comprometimento total ou parcial no cadastramento de casos.

A origem dos problemas ainda é desconhecida. A pasta informa apenas que identificou a existência de vírus em algumas estações de trabalho em 5 de novembro. Continuam bloqueados o acesso à internet, bem como às redes e aos sistemas de telefone. Segundo a pasta, até o momento, não há indícios de que o vírus seja uma tentativa de invasão de hackers.

Falhas

Após os problemas, o acesso aos dados do Localiza SUS ficou comprometido. Na tarde dessa quarta-feira (11/11), por exemplo, os painéis Saldos, Compras e Contratos, Open Data SUS e Covid-19 funcionavam, mas apresentavam falhas em filtros e acessos.

A mesma dificuldade é enfrentada pelas secretarias de Saúde. As pastas em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Cataria e Rio Grande do Sul tiveram dificuldades em notificar os novos casos de Covid-19 e as mortes causadas pela doença na manhã dessa quarta-feira (11/11).

No mesmo período de falhas no Ministério da Saúde, outros órgãos do governo federal sofreram ataques de hackers. Um dos exemplos mais expoentes é do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que teve arquivos roubados.

Prejuízo

Para o diretor-presidente do Instituto Operação Política Supervisionada (OPS), voltado para a fiscalização de gastos públicos, Lúcio Big, uma falha como essa coloca em xeque não apenas os dados que possam ter sido sequestrados – e consequentemente perdidos se o sistema de backup não possuir a qualidade que se espera –, mas também a qualidade das informações que serão apresentadas à sociedade após a resolução dos problemas.

O especialista afirma que, infelizmente, não é possível evitar ataques de hackers, que muitas vezes parecem estar um passo à frente. “No entanto, é possível garantir a integridade das informações com sistemas de segurança de ponta e rotinas rígidas de trabalho cumpridas à risca”, analisa Big.

“Pelo menos é isso que a sociedade espera de um governo que gasta anualmente algo em torno de R$ 150 milhões apenas com publicidade”, critica.

Versão oficial

O Data SUS, departamento de informática do Sistema Único de Saúde (SUS), confirma que alguns serviços, painéis e portais apresentados pelo Localiza SUS podem se encontrar temporariamente indisponíveis, devido às ações para “revisar todas as camadas de segurança dos sistemas”.

“O Data SUS reforça o compromisso em promover modernização por meio da tecnologia da informação para apoiar o Sistema Único de Saúde, garantindo a segurança e integridade dos dados inseridos nos sistemas. Em breve, todos os serviços ofertados pelo Localiza SUS estarão novamente disponíveis”, explica, em comunicado interno.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que a plataforma do Sivep-Gripe, que registra os casos de coronavírus, está normalizada desde a última terça-feira (10/11), permitindo que todos os estados continuem atualizando os registros no sistema. “Em relação aos dados do Painel Covid-19, a previsão é que sejam atualizados até o fim desta semana”, ressalta o texto.

Já sobre as plataformas do Localiza SUS, a pasta informou que “nenhum dado foi alterado e todos permanecem preservados”. “A equipe do Data SUS atuou de forma preventiva na proteção dos servidores e dados da pasta, o que garantiu a integridade e impediu o vazamento de dados sensíveis”, conclui o ministério.

Fonte: Metrópoles

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*