Polícia Civil indicia fazendeiro suspeito de provocar mortandade de peixes no Rio Vermelho por causa da criação de gado

A Polícia Civil indiciou um fazendeiro suspeito de provocar a mortandade de toneladas de peixes do Rio Vermelho, em Aruanã e Britânia, ao poluir a água por meio da criação de gado em sua fazenda, às margens do rio. O inquérito, conduzido pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema), foi concluído esta semana e encaminhado ao Poder Judiciário.

De acordo com o delegado Luziano Carvalho, responsável pelas investigações, centenas de peixes de ao menos sete espécies diferentes morreram na região em fevereiro deste ano. A partir daí, foram realizados exames periciais que constataram que houve uma queda na concentração de oxigênio na água do rio, limitando a vida dos peixes das espécies dourado, traíra, pintado, mandubé, jaraqui, barbado e jaú.

Segundo os laudos periciais, durante os dias de mortandade dos peixes, o índice de oxigênio no Rio Vermelho estava em 1,7 mg por litro, enquanto o índice normal é de 5 mg por litro. No Lago Acará, que se ramifica do Rio Vermelho, o oxigênio dissolvido estava em 0,08 mg por litro, valor 21 vezes ainda menor que o avaliado no restante da região.

Além disso, também foi encontrada na água a presença de uma bactéria existente nas fezes bovinas, o que indica, segundo as investigações, uma correlação entre a criação de gado e a poluição da água.

Fonte: G1
print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*