Mulher diz que teve filha roubada pela babá, mas polícia descobre que suposta sequestradora é mãe biológica da criança

Uma mulher procurou a delegacia para denunciar que a babá havia roubado sua filha, de 5 meses, em Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal. Porém, durante o registro da ocorrência, a Polícia Civil acabou descobrindo que a suposta sequestradora era, na verdade, mãe biológica da recém-nascida e que o caso tratava-se de uma “adoção à brasileira”, quando uma criança é dada em adoção sem que sejam realizados todos os trâmites legais.

O caso aconteceu na quarta-feira (18). Os nomes dos envolvidos não foram divulgados. De acordo com o delegado Freitas Júnior, os policiais desconfiaram da história da mulher quando souberam que a babá havia sido mãe recentemente. Logo, a mulher admitiu que a criança era filha de sua funcionária.

“A gente conseguiu levantar que essa babá havia, recentemente, tido uma filha. A gente começou a ligar os pontos. Foi entregue aos agentes de polícia uma foto dessa filha da babá. Solicitamos à comunicante uma foto da menina que ela alega que era filha dela. Olhamos e era a mesma criança”, explica.

 

“Depois, em entrevista, ela confirmou que de fato a bebê é filha biológica da babá. Contudo, foi registrada no nome dela”, conclui.

Posteriormente, a babá foi encontrada com a criança no Distrito Federal. A bebê foi encaminhada aos cuidados do Conselho Tutelar e permanecerá em um abrigo até que a Justiça decida com quem ela ficará.

O delegado destacou que o crime de “adoção à brasileira” está previsto na Constituição e detalhou em que circunstâncias ele ocorre.

“O crime de ‘adoção a brasileira’ está previsto no artigo 242 do Código Penal e ele consiste, basicamente, em você registrar o filho de outra pessoa como se seu fosse, sem passar pelo trâmite do processo de adoção”, pondera.

As mulheres responderão em liberdade. O crime, em caso de condenação, pode ocasionar uma pena que pode chegar a seis anos de detenção. Elas também podem responder por falsidade ideológica, uma vez que teriam emitido uma certidão de nascimento “ideologicamente” falsa.

Fonte: G1 Goiás

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*