Polícia indicia noivo pela morte de professora baleada na cabeça dentro de casa, em Formosa

A Polícia Civil concluiu inquérito relacionado à morte da professora Larissa Quintino de Souza, de 30 anos, alvejada com um tiro na cabeça, em Formosa, no Entorno do Distrito Federal. O noivo dela, Hozannah Fonseca de Deus Filho, de 41, que está preso, foi indiciado por feminicídio. De acordo com a corporação, em seu depoimento, ele havia dito que a vítima tinha se matado.

G1 não conseguiu localizar a defesa de Hozannah até a publicação desta reportagem.

O crime aconteceu no último dia 2 de novembro. Segundo a polícia, Larissa foi baleada e morreu dentro de casa. A mãe da mulher, Maria Helena Quintino, disse, na ocasião, que o homem já tinha tentado matar a noiva antes.

O delegado Danilo Meneses, responsável pelo caso, disse que, a priori, o casal teve uma discussão no dia do assassinado. Relatou ainda que o relacionamento era permeado de ciúmes e até agressão por parte do noivo.

“Eles tinham passado a noite bebendo sem dormir e provavelmente houve uma discussão entre o casal. Pelo que a perícia apontou no local – copos quebrados, vasilhas no chão. Ele tinha sempre crises de ciúmes e já tinha agredido ela várias vezes”, afirma ao G1.

Cena do crime alterada

 

Hozannah foi detido em flagrante, mas afirmou que a professora havia se suicidado. A polícia, então, passou a atuar no sentido de verificar se a versão procedia ou não.

Durante o trabalho de perícia, foi constatado que “partes da cena foram montadas com o fim de simular” o suicídio.

Em caso de condenação, o noivo pode pegar uma pena de até 30 anos de prisão.

Fonte: Metrópoles

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*