Sementes misteriosas têm origem asiática, podem conter vírus e apresentam ‘altíssimo risco’ para a agricultura brasileira, diz laudo

As sementes misteriosas enviadas ao Brasil junto com compras que brasileiros fizeram pela internet apresentam “altíssimo risco” para a agricultura brasileira. Essa é a conclusão do laudo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com base na análise de 36 amostras. De acordo com o superintendente federal da Agricultura em Goiás, Arnoldo Daher, as sementes podem conter vírus e bactérias.

“Elas podem conter plantas daninhas e plantas invasoras, que causam grande dano econômico, como também podem conter vírus, bactérias e fungos, que causam muitos danos. Temos exemplos de pragas que não existiam na agricultura nacional e que hoje causam muitos danos”, afirma.

 

A análise foi realizada pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Goiânia (LFDA), vinculado ao Mapa, que recebeu, a partir de setembro, amostras de várias regiões do país. Segundo o Ministério da Agricultura, até outubro, moradores de 24 estados e do Distrito Federal já tinham relatado o problema.

O laboratório identificou ainda que as sementes são de origem asiática. “Já identificamos sementes de origem de quatro países diferentes, todos da Ásia”, diz o superintendente.

Segundo Arnoldo, a maioria das sementes analisadas é do tipo “ausente”, o que significa que não existe no país.

“Temos que proteger a agricultura nacional contra essas pragas”, pontua Daher.

Fiscalização

 

Desde o recebimento das primeiras amostras das sementes misteriosas no país, o Ministério da Agricultura intensificou a fiscalização das correspondências que chegam do exterior.

“Antes, a gente conseguia apreender 2 mil amostras por mês, hoje [esse número] já está em 5 mil”, afirma Arnoldo.

A Agrodefesa e o Ministério da Agricultura alertam para os riscos da manipulação desses materiais, como a possibilidade da entrada de pragas ou doenças que não existem ou que já estão erradicadas no país. A orientação é para que as pessoas não abram, não plantem nem joguem fora as sementes.

Sementes ‘misteriosas’ que clientes receberam pela foram analisadas por laboratório federal em Goiás — Foto: Giovanna Dourado/TV Anhanguera

Sementes ‘misteriosas’ que clientes receberam pela foram analisadas por laboratório federal em Goiás — Foto: Giovanna Dourado/TV Anhanguera

Fonte: G1
print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*