Ataque de bando em Cametá, no Pará, deixa uma pessoa morta e uma ferida

O ataque de criminosos ocorrido na noite dessa terça-feira (1º/12) em Cametá (PA) deixou ao menos um morto e um ferido, segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup).

A vítima que morreu — um jovem de identidade não revelada — teria sido usada como refém pelos criminosos, que estavam fortemente equipados com fuzis.

Já um outro morador foi atingido na perna por disparos de arma de fogo. Ele está internado no hospital da cidade, mas sem gravidade, completou a pasta, em nota atualizada na manhã desta quarta-feira (2/12).

O assalto durou mais de uma hora e teve como alvo uma agência do Banco do Brasil. Acionada, a polícia trocou tiros com o bando. Imagens mostram supostos assaltantes atravessando ruas da cidade com vários reféns..

Ao Metrópoles, a Polícia Militar de Cametá confirmou o assalto. Com sons de disparos ao fundo da ligação telefônica, um PM disse que a corporação estava “ilhada”. Afirmou ainda que são “muitos tiros” e que, com certeza, mais de 15 pessoas foram feitas reféns pelo bando.

“A Segup informa que a normalidade já foi restabelecida no município de Cametá, ainda na madrugada desta quarta-feira, com a chegada de efetivos policiais de outras cidades e regiões”, ressaltou a secretaria.

Durante as buscas realizada pelos investigadores, uma caminhonete que teria sido utilizada foi encontrada pelas equipes policiais, no Km 15, na estrada que faz conexão com Tucuruí (PA), município vizinho.

“Dentro do veículo, foram encontrados diversos explosivos. As buscas estão em andamento na região. A cúpula da segurança pública seguirá para o município para acompanhar o caso”, prosseguiu a Segup.

Em nota, o prefeito da cidade, Waldoli Valente, disse pedir a Deus que proteja a todos “neste momento tão difícil que a cidade está passando”.

“Nossa cidade sempre foi pacífica e peço a todos que fiquem em suas casas. Rogamos ainda a Deus que conforte a família do jovem que perdeu a vida de forma covarde”, publicou o mandatário, em uma rede social.

 

Fonte: Metrópoles

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*