Juiz determina afastamento de 6 prefeitos goianos e devolução de cerca de R$ 25 milhões

Investigação do MP-GO busca recuperar quase R$ 25 milhões de prefeituras | Foto: Reprodução

O Juiz Respondente, Pedro Henrique Guarda Dias acatou o pedido do Ministério Público De Goiás, que após extensa investigação em sites de transparência, no portal do Tribunal de Contas do Municípios – GO, além de outras fontes identificou centenas de contratos e pagamentos efetuados por seis municipios goianos, a pessoas físicas de forma ilegal para prestação de serviços que exigem constitucionalmente a realização de concurso público. Foram identificados problemas sérios em Mambaí, Sítio D’Abadia, Damianópolis, Buritinópolis, Alvorada do Norte e Simolândia. O juiz Pedro Dias determinou o afastamento da administração pública dos responsáveis, bem como a suspensão dos direitos políticos e a indisponibilidade dos bens, em valores que sse aproximam dos R$ 25 milhões.

Em Mambaí-GO, o prefeito Joaquim Barbosa Filho terá os bens bloqueados até o valor de R$ 2,5 milhões em contas bancárias e/ou aplicações financeiras do mesmo, constrição a ser realizada por meio do sistema SISBAJUD. Se o valor encontrado não atingir a quota delimitada pela Justiça, serão arrolados imóveis, propriedades e veículos até atingir o valor. De acordo com o juiz, as medidas prezam pela reparação do dano sofrido pelo patrimônio público em virtude do ato de improbidade impugnado e a punição dos responsáveis aí incluindo o perdimento dos bens e vantagens obtidas ilicitamente e o seu afastamento da administração pública.

A mesma punição terá o prefeito de Sítio D’Abadia, Weber Reis Lacerda, que tem indisponível R$ 5,1 milhões; O prefeito de Damianópolis, Gilmar José Ferreira, que tem indisponível R$ 1,3 milhão. O mais interessante é que os três municípios já citados são limítrofes, ou seja fazem fronteira um com o outro.

Em Buritinópolis, a prefeita Ana Paula Soares Dourado foi responsabilizada e teve bloqueados R$ 5,6 milhões. Em Alvorada do Norte, a prefeita Iolanda Holiceni Moreira dos Santos vai responder por vários crimes e teve bloqueados pouco mais de R$ 4 milhões e o prefeito de Simolândia, Ademar Antônio da Silva também cometeu crimes e além de reponder por eles teve bloqueados R$ 5,3 milhões.

Os indiciados terão 15 dias para apresentar defesa. Devido ao adiantado da hora em que as decisões chegaram ao Jornal Opção, não foi possível obter respostas dos prefeitos indiciados, mas o espaço está aberto e vamos tentar falar com todos prefeitos e prefeitas citados.

 

Por Jornal Opção

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*