Pazuello diz que vacinação contra a Covid-19 deve começar em fevereiro

Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (16/12), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que ainda não há quantidade considerável de nenhum imunizante para iniciar a distribuição para a população brasileira.

“No Brasil, nós praticamente não temos ainda vacina em quantidade considerável para que a gente possa falar em distribuição ou iniciar qualquer plano. Precisamos produzir mais e precisamos ter a capacidade de controlar a ansiedade e a angústia para passarmos esses 45, 60 dias a partir de agora, que serão fundamentais para que se conclua os processos, sejam feitos os registros, produzidas as vacinas e nós iniciemos a grande campanha de vacinação”, afirmou.

No discurso de lançamento do Plano de Imunização, o ministro da Saúde reclamou da “pressão” pela apresentação do plano. “Temos um dos melhores programas de imunização do mundo. Somos os maiores produtores de vacina da América Latina. Não entendo o motivo dessa angústia”, frisou.

Apesar de já ter falado que a vacinação poderia iniciar ainda em dezembro, Pazuello voltou a afirmar que a data mais provável para o início da imunização é em fevereiro. Ele disse que o Butantan e a Fiocruz apresentassem os documentos da fase 3 dos estudos em dezembro e solicitassem o registro ainda este mês, “nós teremos janeiro para análise da Anvisa e, possivelmente, em meados de fevereiro para frente nós estejamos com estas vacinas recebidas e registradas para iniciar o plano”.

Pazuello também afirmou que trabalha em parceria com o Butantan, e que todas as vacinas que estiverem no Brasil farão parte do Programa Nacional de Imunização (PNI), “sem exceção”. Segundo ele, isso já está pacificado com todos os entes da federação. “Nunca deixamos de trabalhar com o Butantan e, sim, estamos torcendo para que tudo dê certo.”

O imunizante desenvolvido pelo Butantan — Coronavac — é produzido em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já afirmou algumas vezes que não vai comprar a “vacina chinesa”. Bolsonaro tem politizado a questão da vacinação e antagonizado com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com quem pode disputar as eleições presidenciais de 2022.

Previsão de vacinação

Segundo Pazuello, a previsão de início de vacinação é o mês de fevereiro.

“A previsão, se nós conseguirmos manter o planejado do Butantan e da Fiocruz, de apresentar a fase 3 dos estudos e toda a documentação da fase 1 e 2 ainda em dezembro à Anvisa, e solicitar o registro, nós teremos janeiro para análise da Anvisa e, possivelmente, de meados de fevereiro para frente, nós estaremos com essas vacinas recebidas e registradas para iniciar o plano”, declarou.

 

 

 

Fonte: Metrópoles

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*