Faltou transparência e qualidade na gestão do IBGH, diz Ismael Alexandrino

OS comanda três hospitais estaduais de Goiás

Secretário de Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino disse, em entrevista exclusiva ao jornal A Redação, que faltou transparência e qualidade na prestação de serviços do Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH) à frente dos Hospitais Estaduais de Santa Helena de Goiás, Jaraguá e Pirenópolis. “Recebemos reclamações sucessivas sobre atraso no pagamento de salários e demora na prestação de serviços”, relatou o titular da pasta nesta terça-feira (5/1).
Em ofício, a Secretaria do governo estadual questionou o interesse da Organização Social (OS) em seguir na administração das três unidades de saúde. Na sua resposta, segundo Ismael Alexandrino, a entidade alegou dificuldades para prestação do serviço e informou a desistência do posto de gestora dos hospitais. “Eles [IBGH] citaram que um fato recente tornava difícil a aquisição de insumos e a realização dos trabalhos”, explicou o secretário.
Em dezembro do ano passado, o instituto foi um dos alvos da Operação Tolueno, que investiga fraude na compra de materiais para combate à covid-19 em Goiás. De acordo com as apurações, produtos como álcool em gel e máscaras foram adquiridos e eram de péssima qualidade, com possibilidade, inclusive, de afetar a saúde dos pacientes. O prejuízo estimado com a compra é de R$ 2 milhões.
Para Ismael Alexandrino, a investigação “pode ter a ver” com a má qualidade na prestação de serviços da OS, mas ressaltou que a entidade não lhe falou nada sobre o caso quando alegou dificuldade para gerir os hospitais. “Não sei falar se há relação direta, mas fato é que estávamos percebendo a dificuldade deles em se relacionar com o mercado para adquirir os insumos”, contextualizou.
O secretário destacou que uma boa gestão envolve “transparência e qualidade na prestação dos serviços”. “Esperamos que cada vez mais as Organizações Sociais, modelo no qual acreditamos, se desenvolvam para realizar o trabalho com maior qualidade e celeridade”, assinalou o titular.
Escolha de novas gestões
Segundo Ismael Alexandrino, cada unidade passará por processos individuais de chamamento emergencial e também regular. Nesta terça (5), a SES-GO informou ao AR, em nota, que o chamado de emergência deverá ser concluído ainda neste janeiro. Até lá, a administração seguirá sob comando do IBGH.
De acordo com previsão do secretário, o chamamento regular terá duração de cerca de 90 dias. Enquanto não for concluído, as Organizações Sociais que forem escolhidas em caráter emergencial ficarão responsáveis pela administração das respectivas unidades.
Veja a nota divulgada pelo IBGH nesta terça-feira (5):
“O Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH), Organização Social de Saúde referência em excelência operacional, está colaborando, desde o princípio, com o andamento das investigações da Polícia Federal que apuram suposta adulteração de álcool em gel por empresa fornecedora.
O IBGH recebeu toda a documentação de aquisição do produto e vem colaborando com todas as informações e esclarecimentos necessários. É inverídica a afirmação de reportagem de que o IBGH é investigado por desvio de dinheiro público.
Também desde a deflagração das apurações, a instituição tem a plena convicção técnica de que não houve qualquer irregularidade na execução do contrato em questão. Vale ressaltar que, independentemente do encerramento do contrato de gestão compartilhada, nos mantemos à disposição das autoridades.
É imprescindível ressaltar que o encerramento dos contratos de gestão foi pactuado em detalhes com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), de forma a garantir a plena continuidade da prestação dos serviços médicos aos pacientes das três unidades até a completa transição entre Organizações Sociais de Saúde.
A excelência operacional, o atendimento humanizado, o serviço médico de alta qualidade, a transparência e o compromisso com a gestão são princípios basilares do IBGH, que tem como missão maior cuidar e salvar vidas.
Goiânia, 5 de janeiro de 2021
Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH)”

Por A Redação

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*