Brasil já identificou novas variantes em exames de 204 pacientes com coronavírus, diz Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira (23) que detectou 204 casos de pessoas infectadas com as novas variantes do Sars CoV-2 no Brasil. O levantamento foi feito pela Secretaria de Vigilância em Saúde a partir das notificações recebidas pelas secretarias estaduais da saúde. Os dados foram contabilizados até 20 de fevereiro.

Estados com a variante do Reino Unido (20):

  • São Paulo (11)
  • Bahia (6)
  • Goiás (2)
  • Rio de Janeiro (1)

Estados com a variante brasileira, originada no Amazonas (184):

  • Amazonas (60)
  • São Paulo (28)
  • Goiás (15)
  • Paraíba (12)
  • Pará (11)
  • Bahia (11)
  • Rio Grande do Sul (9)
  • Roraima (7)
  • Minas Gerais (6)
  • Paraná (5)
  • Sergipe (5)
  • Rio de Janeiro (4)
  • Santa Catarina (4)
  • Ceará (3)
  • Alagoas (2)
  • Pernambuco (1)
  • Piauí (1)

 

De acordo com a pasta, até o momento não há registro da variante descoberta na África do Sul. O ministério esclareceu ainda que, após uma investigação, dois casos da variante do Reino Unido inicialmente notificados como do Distrito Federal são, na verdade, de Goiás. Os pacientes moram em cidades do estado.

O sequenciamento genético do Sars CoV-2 é feito pelos laboratórios da Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Adolfo Lutz e Instituto Evandro Chagas. No entanto, outros laboratórios públicos e privados também têm feito a análise do material e, por isso, alguns resultados estão sendo notificados apenas aos municípios e estados, de acordo com o Ministério da Saúde.

Três variantes

 

Por enquanto, três variantes do Sars CoV-2 estão sob a atenção dos cientistas:

  • B.1.1.7, identificada em dezembro de 2020 no Reino Unido.
  • 501Y.V2, encontrada na África do Sul (também conhecida como B.1351).
  • P.1., variante brasileira detectada inicialmente em Manaus.

 

Duas principais mutações chamam a atenção: a N501Y, que ocorreu nas três variantes, e a E484K, presente na sul-africana e na brasileira.

Elas preocupam os especialistas porque ocorrem na proteína S (de Spike), localizada na coroa do vírus. É ela que se conecta com o receptor ACE2 das células humanas, principal porta de entrada para a infecção do novo coronavírus.

Sobre a N501Y, há a suspeita de que a mudança no código genético tenha tornado as novas variantes mais transmissíveis.

Uma pesquisa brasileira divulgada no início de janeiro analisou a troca de aminoácidos que poderia causar esse efeito de maior facilidade da infecção pelo vírus – onde estava o asparagina (N) no RNA do coronavírus original de Wuhan, na versão do Reino Unido, agora existe o tirosina (Y). Os autores explicaram que o “N fazia duas ligações” e, agora, o “Y faz muito mais”, trazendo mais aderência ao receptor humano.

Já a mutação E484K está relacionada a um possível enfraquecimento da ação dos anticorpos humanos, mas ainda são necessários mais estudos para confirmar o real efeito da mudança do vírus. Com a nova sequência de RNA, é atingida a região da proteína Spike onde justamente atuam os anticorpos neutralizantes produzidos pelo sistema imunológico.

Fonte: G1 
print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*