Moradores de Aparecida reclamam de buracos, lixo, lama e abandono

Moradora relata que buracos impedem até caminhão de lixo de trafegar na rua dela.

Moradores do setor Rosa dos Ventos, no município de Aparecida de Goiânia, denunciam estar passando por maus-bocados na região devido aos buracos nas ruas e falta de soluções por parte do poder público. Uma moradora relatou que até mesmo a coleta de lixo precisou ser interrompida, uma vez que os caminhões que realizam o recolhimento não conseguem mais passar por algumas ruas.

Ao Mais Goiás, Alynne Rosa, 33, conta que mora há cerca de seis anos numa casa localizada na rua Wilson Santana Coutinho, no bairro Rosa dos Ventos, em Aparecida. Segundo ela, a via é uma das mais afetadas pelos buracos, lama ou poeira. Alynne relata que a situação piora com o início das chuvas, que abrem crateras onde existiam os buracos. O local, de acordo com a moradora, fica intrafegável.

“Eu estou sem carro. Meu carro está na casa do meu sogro porque ele não passa mais aqui na rua, não dá”, diz. Segundo Alynne, motoristas de transporte por aplicativo sempre cancelam as solicitações de viagem quando descobrem que elas vêm do setor. “Semana passada eu chamei cinco e os cinco recusaram, porque carro não passa mais aqui. É muito buraco e quando não é poeira, é lama”, afirma.

 

 

Os buracos nas ruas são um problema geral do setor, conforme Alynne, e tem impactado até mesmo em serviços básicos como a coleta de lixo. De acordo com a moradora, no início desta semana um caminhão de coleta de lixo caiu em um dos buracos da rua quando tentou entrar para fazer o recolhimento dos descartes. A moça conta que há cerca de dois meses, com o período de chuvas, o problema se intensificou, fazendo com que o lixo fique espalhado pelo bairro.

“Fica uma nojeira, porque os cachorros mexem no lixo e ele fica espalhado. Isso porque o caminhão do lixo não consegue chegar lá”, revela.

O que diz a prefeitura

Ao Mais Goiás, Alynne conta que os representantes do bairro Rosa dos Ventos, que já tem mais de 30 anos de existência, já entraram em contato com a Prefeitura de Aparecida de Goiânia diversas vezes, sem obter nenhuma solução efetiva para o problema. A moradora diz que chegou a enviar uma mensagem para o prefeito Gustavo Mendanha (MDB) pelas redes sociais, tendo como resposta a promessa de que a prefeitura iria analisar a situação para propor uma solução. No entanto, nada foi feito.

A reportagem entrou em contato com a prefeitura para obter um posicionamento, e aguarda um retorno.

 

 

 

 

Fonte: Mais Goiás

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*