Moradores alegam que professores estão sendo obrigados a trabalhar em situação de risco no assentamento Vale da Esperança, a coordenadora da Escola esclarece a realidade dos fatos

No assentamento Vale da Esperança, há 10 dias, entraram em acordo os pais com o Colégio Estadual Vale da Esperança para que a estivesse voltando as aulas presenciais.

Estava previsto que estivesse voltando as aulas no dia 22 de fevereiro, mas devido às intensas chuvas e o aumento do número de casos de covid-19 os pais desistiram.

Porém, a coordenadora do Colégio, Eliete, determinou que haverá aula sim, e mesmo que seja para apenas um aluno os professores devem comparecer todos os dias para dar aula.

Por causa das chuvas fortes, os transportes não estão passando por não ter como passar.

Confira os vídeos abaixo:

Veja depoimento de uma moradora do Vale da Esperança:

“Moro no Vale da Esperança. Sou mãe de alunos do Colégio Estadual Vale da Esperança. Há uns 10 dias houve uma reunião de pais onde foi sugerido o retorno das aulas aqui. A maioria dos pais optaram por voltar. Começaria hoje.
Só que devido às intensas chuvas e o aumento da pandemia os pais desistiram.
Mas a ordem da coordenadora Eliete é que é pra ter aula, nem que seja pra um aluno. Os pais não estão mandando os filhos, mas os professores tem que ir.
Os transportes não estão rodando por não ter como passar.
Por favor vejam como nos ajudar

Vou enviar uns vídeos da situação. Professores são obrigados a trabalhar nessa situação ou perderão seus contratos. Não é justo arriscarem a vida assim pra ganhar a vida.
Nossa sugestão é que as aulas sejam suspensas pelo menos uns 15 dias. (Aulas presenciais que começaria ontem dia 22).”

A equipe da coordenadora da escola entrou em contato com a equipe lance e relatou que os pais que exigiram a volta as aulas, alegando que as vezes ocorria quedas na internet e prejudicava os alunos.

Veja o depoimento da equipe da coordenadora:

“Caro Fábio JR,
A coordenadora regional de educação de Formosa, professora Eliete França, esclarece que a convite da comunidade do CE Vale da Esperança realizou uma reunião para analisar, discutir e decidir sobre a volta às aulas no Sistema Híbrido. A coordenadora deixou claro durante a reunião que o desejo desse retorno estava partindo da comunidade e não da CRE, porém, que auxiliaria a Escola no que fosse necessário para o retorno. A Eliete deixou acertado que tudo deveria ser feito conforme Decreto n° 9.751 de 30 de novembro de 2020, respeitando os 30% do percentual de estudantes por turma e o cumprimento a risca de todos os protocolos de Biossegurança.”

 

Fonte: Equipe Lance

print

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*