“Nossa saúde não pode entrar em colapso”, diz prefeito de Aparecida de Goiânia ao clamar por responsabilidade

Com quase 100% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados em Aparecida de Goiânia, o prefeito Gustavo Mendanha fez um apelo em seu Twitter, nesta quinta-feira (25) para que haja responsabilidade social por parte da população, para que a saúde pública não entre em colapso.

“Estamos com quase 100% dos leitos de UTI’s ocupados em Aparecida e nossa saúde não pode entrar em colapso. Tomem bastante cuidado. Meu apelo é sério. Estou muito preocupado com o avanço da doença.

Chame a responsabilidade pra você, independente do que você acredita”, apelou o prefeito que afirmou que fará, nos próximos dias, uma série de reuniões com a Prefeitura de Goiânia e o Governo de Goiás, para a tomada de decisões frente à pandemia, com o intuito de manter a economia, “mas salvando vidas que é o mais importante”

Pouco antes da publicação, Gustavo Mendanha alegou, também no Twitter, que o momento é difícil e, além do que a prefeitura vem fazendo, é preciso a contribuição por parte de todos para vencer a pandemia. “Faço um apelo à população, aos empresários e a todos para que se previnam e se protejam. Meu pedido é de clamor. A prefeitura está fazendo o seu dever de casa, mas daqui a pouco não vai adiantar se continuarmos assim como estamos”, escreveu o prefeito.

De acordo com boletim epidemiológico de Aparecida de Goiânia, a taxa de ocupação

dos leitos de UTI da rede pública de saúde do município está em 79%. Em entrevista à Rádio Bandeirantes (820) na manhã desta quinta-feira (25), o superintendente de regulação da Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida de Goiânia, Luciano de Moura, afirmou que tanto a taxa de ocupação, quanto a de transmissão, que está em 1.2 são relativamente altas.

“Nós sempre estamos acompanhando diariamente esses números e realmente manutenção de taxa de transmissão alta implica dizer que nós tenhamos a necessidade de abertura de mais leitos. Então sempre quando nós temos o maior número de casos ativos, que são aquelas pessoas contaminadas e que estão transmitindo a doença, nós temos aí, proporcionalmente, um maior número de solicitações de internação”, explicou.

A orientação do Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao novo Coronavírus, de Aparecida de Goiânia, é a de que caso aumente o índice de transmissão e a taxa de ocupação de leitos fique acima de 70% por três dias consecutivos, o decreto de retorno do isolamento social intermitente, por escalonamento regional, pode ser estabelecido. No entanto, novas medidas ainda não foram determinadas, mas vêm sendo discutidas, de acordo com o superintendente de regulação da Secretaria Municipal de Saúde.

“Está sendo discutido no comitê de operações especiais contra a Covid-19. O comitê vai fazer essa definição a partir dos dados apresentados nos últimos dias. Então, como nós tivemos a abertura de mais leitos, nós não levamos a essa condição, ainda”, explicou Luciano de Moura.

Por Diário de Goiás   

print