Entidades médicas do Brasil publicam manifesto em defesa do uso das máscaras

Ao contrário de Wuhan, na China, que está com a pandemia de Covid sobre controle, no Brasil o que a gente vê é hospital lotado e pessoas agindo como se a pandemia não estivesse acontecendo. Neste domingo (28), 46 entidades médicas publicarem um manifesto em defesa do uso das máscaras, proteção essencial contra o coronavírus.

Bandeira preta no Rio Grande do Sul: a medida prevê o fechamento de comércio não essencial e restrição no funcionamento de escolas. Não é para menos. Em Porto Alegre, por exemplo, a ocupação das UTIs de Covid é de 100%.

Em Santa Catarina, só os serviços essenciais podem funcionar neste e no próximo fim de semana. A taxa de ocupação dos leitos no estado passou de 95%, mas ainda há festas clandestinas. Uma, com cerca de 100 pessoas, em Florianópolis, foi interrompida pela polícia e os convidados fugiram.

Teve festa clandestina também em Manaus, onde há fila de espera por leitos para doentes com Covid. Cinquenta pessoas estavam no local, inclusive menores de idade.

Fiscais no Recife autuaram dois bares que estavam funcionando depois do horário autorizado, até 22h. Na maioria dos flagrantes, houve apenas advertência.

Brasília entrou em lockdown neste domingo (28) e já dá para perceber que as ruas estão mais vazias. A medida vai até 15 de março.

Neste final de semana, o estado de São Paulo ultrapassou pela primeira vez a marca de mais de 7 mil pacientes de Covid internados em terapia intensiva. A pequena Taquarituba está com os dez leitos de UTI e os cinco de enfermaria ocupados. Para atender mais gente, colocou leitos até dentro da capela da Santa Casa.

O fim de semana também foi marcado por filas nos drive-thrus de vacinação. No estádio do Pacaembu, elas chegaram a ocupar quilômetros de ruas. Para tentar diminuir o tempo de espera, começou um novo ponto de vacinação no Clube Hebraica, na zona oeste de São Paulo. Mas, tão logo ele foi inaugurado, a fila foi formada. Nesta segunda (1º), os paulistanos de mais de 80 anos poderão contar também com as unidades básicas de saúde para se vacinarem.

Neste domingo, sociedades médicas divulgaram um manifesto, em que fazem um apelo à população. O alerta foi divulgado três dias depois de o presidente Jair Bolsonaro ter criticado o uso de máscaras em uma live em redes sociais.

“Nós achamos muito importante quando ouvimos a essa altura da epidemia, quando vivemos uma segunda onda muito pior do que o primeiro pico epidêmico, quando vivemos um momento de exaustão, de pressão sob o sistema público de saúde, que bobagens tenham sido ditas de maneira muito inadequada. Enfim, com informações que não procedem sobre o uso e a proteção conferida pelas máscaras”, afirma Margarete Dalcomo, presidente eleita da Sociedade Brasileira de pneumologia.

 

Por Fantástico

print