Novo decreto mantém aulas presenciais nas escolas com até 30% dos alunos, em Goiânia

O novo decreto da Prefeitura de Goiânia com restrições para conter a disseminação da Covid-19 e diminuir a taxa de ocupação dos leitos de UTI não altera o funcionamento das escolas públicas e privadas da capital. O texto, divulgado no sábado (27), mantém a autorização para aulas presenciais com até 30% dos alunos.

Durante reunião para divulgação das restrições previstas no novo decreto, o secretário de Saúde de Goiânia, Durval Ferreira Fonseca, disse que não há necessidade do fechamento e restrição nas escolas além do que já havia sido estabelecido pelo Centro de Operações de Emergências (COE).

Segundo a prefeitura, além de Goiânia, o funcionamento presencial de até 30% da capacidade também vale para as escolas das cidades da Região Metropolitana, incluindo Aparecida de Goiânia, Senador Canedo, Trindade e Goianira, que estabeleceram as mesmas restrições que a capital.

O COE havia deliberado, em outubro de 2020, que existiam condições epidemiológicas para o retorno das aulas presenciais em Goiás nas redes pública e privada. O G1 tenta informações com a Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO) para saber quais são os critérios levados em consideração pelo COE.

Posicionamento da SME

 

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação (SME) informou, às 13h10 deste domingo (28), que, apesar de o funcionamento presencial nas instituições de ensino estar autorizado desde o fim do ano passado, “o retorno exige rígidos protocolos operacionais e administrativos de segurança elaborados conforme orientações das autoridades sanitárias municipais e ainda não foi possível este retorno na rede municipal de Goiânia”.

Disse ainda que o retorno se dará “de forma escalonada, sem prejuízo ao atendimento e segurança dos educandos e servidores”, sempre analisando a evolução do quadro epidemiológico, “descartando qualquer retorno perante aumento dos casos” (veja a nota na íntegra abaixo).

Nota da SME

 

“A Secretaria Municipal de Educação (SME) informa que, conforme o Decreto 1.850, o atendimento presencial nas instituições de ensino foi autorizado desde 09 de novembro. Contudo, a Pasta esclarece que o retorno exige rígidos protocolos operacionais e administrativos de segurança elaborados conforme orientações das autoridades sanitárias municipais e ainda não foi possível este retorno na rede municipal de Goiânia. Vale frisar que tais documentos vêm sendo elaborados desde o início da pandemia e constantemente adequados conforme a evolução do quadro epidemiológico.

A SME assegura, ainda, que assim como consta no Decreto, o retorno se dará de forma escalonada, sem prejuízo ao atendimento e segurança dos educandos e servidores. Importante salientar, também, que todo o processo será desencadeado mediante preparo adequado e orientações às instituições, além de comunicação eficiente à comunidade, prezando pela transparência da informação. Também, está sempre em análise a evolução do quadro epidemiológico, descartando qualquer retorno perante aumento dos casos”.

Fonte: G1 Goiás

print