Goiás amplia para 1.084 o número de leitos para tratamento da Covid-19

O Estado de Goiás amplia, neste mês de março, o número de leitos de unidades de internação exclusivas para pacientes com Covid-19. Com a abertura do Hospital de Uruaçu e outros leitos distribuídos em municípios goianos, a rede pública estadual de saúde alcança o número de 1.084 vagas em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e enfermaria.

Maior unidade de saúde do Centro-Norte goiano, o Hospital de Uruaçu será inaugurado no dia 8 de março, com 186 leitos para tratamento da Covid-19. Outras 52 novas vagas foram abertas nos municípios de Ceres (11), Iporá (10), Jataí (20) e Quirinópolis (11).

A ampliação das unidades se deu por conta da grande demanda atual de pacientes vítimas da doença. De acordo com o governador Ronaldo Caiado, antes da pandemia, no início de sua gestão, havia apenas três municípios em Goiás, com disponibilidade de UTI. “Quando recebi o Estado, só tinha UTI em três cidades. Hoje, estamos instalados em 20”, afirmou.

Desta forma, a rede de saúde estadual passa a contar, ao todo, com 742 leitos de UTI, instalados em 30 unidades do Estado. Destas, 407 são exclusivas para casos de Covid-19. A expansão, conforme Ronaldo Caiado, é resultado do esforço da gestão. “Extrapolaremos, com as estruturas em Uruaçu, mais de 810 leitos críticos no Estado, quando recebemos apenas 296 leitos”, relatou o governador.

Ao todo, já existem, atualmente, 846 leitos para tratamento da Covid-19 em Goiás, sendo 407 UTI e 439 enfermarias. Com as 186 unidades de Uruaçu, e as que serão abertas nos quatro municípios mencionados anteriormente, o Estado alcança a marca de 1.084 leitos dedicados para casos suspeitos e confirmados da Covid-19, nos próximos dias.

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Ismael Alexandrino, mesmo com a ampliação do governo à estrutura de leitos críticos, o aumento do número de casos graves supera a oferta de estruturas para internação. “Não se enfrenta uma pandemia apenas com abertura de UTIs e enfermarias, só com atitudes de saúde, nós precisamos de engajamento social”, explicou.

O secretário alertou para que os goianos sigam as determinações dos decretos municipais, contribuindo para conter a pandemia. “Não esperem um ente querido, um pai, uma mãe, um amigo, um namorado perder a vida, morrer, para acreditar que a pandemia existe. Como havíamos previsto, teríamos o mês mais difícil do ano de 2021, que será o mês de março. Mas eu tenho a absoluta convicção de que, unidos no propósito de salvar vidas, sairemos dessa condição e teremos, em breve, o resgate da normalidade da nossa convivência”, disse.

Atualmente, há no Estado sete hospitais de campanha, exclusivos para tratamento da Covid-19, distribuídos nas cidades de Goiânia, Jataí, Luziânia, Formosa, Itumbiara, São Luís de Montes Belos e em Porangatu. A rede de atenção à Covid-19 do Governo de Goiás conta, ainda, com estrutura para internação em unidades próprias como o Hospital de Doenças Tropicais (HDT), o Hospital de Urgência Governador Otávio Lage (Hugol), o Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer), o Hospital Estadual de Jaraguá e os Hospital Estadual de Urgências de Anápolis (Huana) e Trindade (Hutrin).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Diário de Goiás

print