Goiânia tem a 2ª diocese com mais casos de padres com covid no Brasil

Diocese de Goiânia, que tem 39 casos confirmados, só fica atrás da diocese de Belém do Pará, que tem 42.

A diocese de Goiânia é a segunda do país com mais casos de padres com diagnóstico positivo de covid-19. O dado é de um levantamento feito pela Comissão Nacional de Presbíteros (CNP), que contou a quantidade de casos de covid-19 entre padres nas 18 regionais da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), da qual a Comissão é integrada. Segundo o levantamento, a diocese de Goiânia, que tem 39 casos confirmados faz parte regional Centro-Oeste (Goiás e DF), só fica atrás da diocese de Belém do Pará, que tem 42.

Ao todo, conforme o documento divulgado pela CNP, há 140 casos confirmados de covid-19 entre diocesanos na regional goiana, divididos entre os seguintes municípios: Goiânia (39); Anápolis (26); Brasília (14); São Luís de Montes Belos (10); Jataí (9); Luziânia (8); Uruaçu (8); Goiás (4); Formosa (5); Ipameri (3); Itumbiara (3); Rubiataba-Mozarlândia (1) e 10 no ordinariado militar. Desses, quatro casos terminaram em óbito.

Ainda segundo o levantamento da CNP, a única diocese com mais casos de covid-19 do que Goiânia é a de Belém do Pará, que tem 42 confirmados e integra a regional Norte 2 (Pará e Amapá). Quanto às regionais, a de Goiás também é a segunda em números. A primeira é a Sul 1, de São Paulo, que tem 168 casos confirmados.

Nas regionais do país inteiro, a estimativa é de que 1.390 padres tiveram diagnóstico positivo de covid-19. Desses, 65 vieram a óbito. A CNP destaca, porém, que “nem todas as dioceses passaram seus números reais”. “Então, estes não números aproximativos”, afirma a entidade.

O que diz a CNBB

Segundo Fúlvio Costa, representante da regional Centro-Oeste da CNBB, as paróquias têm tomado os devidos cuidados contra o coronavírus. Ele afirma que todos os padres com covid são afastados, isolados e recebem o devido tratamento. As paróquias são orientadas a seguir as recomendações sanitárias e, nas cidades que os decretos determinam isolamento, assim é atendido e há somente missas on-line, transmitidas pelas redes sociais das paróquias, sem a presença do povo”, informou.

O representante diz ainda que, em casos de decretos que liberam as missas com o povo, “há medição da temperatura, obrigatório uso de máscara e distanciamento de 2 metros nos bancos entre uma pessoa e outra que não seja da mesma família”.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Mais Goiás

print